BOVESPA

ANALISE TÉCNICA DO ÍNDICE DOW JONES – 04/07/2018

Em 26/01/2018, o Índice Dow Jones alcançou o seu topo máximo encerrando o período “Bull Market” que teve início em 03/03/2009 e durou nove anos e quatro meses. Minhas análises visam prever os movimentos do índice no longo prazo, as chamadas tendências primárias, por isso não são frequentes não havendo intervenção enquanto os prognósticos se mostrarem verdadeiros. Em novembro de 2017 alertei que o índice estava prestes a encerrar o período “Bull” e iniciaria um longo período “Bear”, provavelmente de dois a três anos. Como o gráfico mostra, há cinco meses o índice permanece abaixo do pico máximo e com picos decrescentes e vários indicadores asseguram que a queda continuará até o suporte 21.480, que se ultrapassado produzirá um mini ‘crash’ do tamanho do primeiro. Façam bons investimentos sem perder o roteiro.

ÍNDICE S&P 500 – ANÁLISE TÉCNICA EM 02/04/2018

O índice está percorrendo a onda primária V. Já completou a onda w5 pertencente a onda intermediara (1) que foi completada na mesma cota 2.870,62. Essa cota empatou com minha previsão calculada em 2.870,05. Como seria previsto, ocorreu o inicio da onda corretiva (2), de grau intermediário que desenhará um ou dois tríplices e terá como suportes as cotas:2.351; 2.029; 1.509. Nenhuma dessas cotas foi alcançada, ainda, mas o índice está se desvalorizando e encontrará uma resistência provável entre as duas primeiras linhas. Não plotei a terceira linha de sustentação porque, até o momento, a probabilidade de ser alcançada é inferior a 5%, mas é uma probabilidade.

VALE ON – ANÁLISE TÉCNICA

Vale completou a onda w5 e, também, a onda intermediaria (1) que, por sua vez pertence à onda primária V, em curso. A cota máxima atingida foi 47,60 e a previsão era o intervalo 47 – 48. Está agora desenvolvendo a onda corretiva (2) que alcançará os suportes nas cotas 38,34 ou 32,61. Nesse nível oferecerá oportunidade de investimento, pois os indicadores e osciladores indicam firmeza da ação.

ÍNDICE BOVESPA – ANÁLISE TÉCNICA 07/02/2018

O Bovespa está com comportamento descolado da bolsa americana, porque nos últimos 9 anos aquela bolsa subiu sem interrupção, enquanto a nossa ficou presa num túnel em queda pela falta de perspectivas dos governos anteriores. Por isso, está sofrendo menos com o impacto da queda do Dow Jones, porque está muito atrasada. Ademais assumiu comportamento politizado. Com a queda do governo anterior a bolsa engatou uma alta firme e sustentada pelas reformas já conseguidas com o atual governo. Os investidores estão, atualmente, mais preocupados com a possibilidade de o Lula ser preso e como não será, isso provocará queda forte na bolsa. Outro risco é a aprovação da reforma da Previdência. Se for aprovada a bolsa deslancha, mas como não será, deverá cair forte. Então torna-se difícil qualquer previsão técnica porque o mercado não está com comportamento racional, portanto imprevisível. Contudo, indicarei o que o gráfico nos diz, até o momento. Como o gráfico mostra, estamos vendo o desenvolvimento da…

Bovespa para onde vai?

Numa visão ampla do índice, como mostrada no gráfico acima, destacamos os seguintes pontos, muito significativos: III – final da terceira onda primária que alcançou o teto máximo em 73.920 em 30/05/2008, nas vésperas do crash produzido pela crise financeira nos EUA que se irradiou em escala global. IV – em apenas cinco meses o Índice derreteu para a cota 29.435, uma desvalorização de 60,18%, completando a quarta onda primária e causando uma perda patrimonial sem precedentes para os investidores que não tomaram precauções defensivas, uma vez que os sinais eram bastantes evidentes antes desta ocorrência. > a reação que se seguiu foi forte e completou a onda intermediaria (1), de um grau inferior à primária, na cota 73.103 em apenas 25 meses, em 30/11/2010. O teto anterior, entretanto, não chegou a ser ultrapassado, o que não tem importância, neste caso. > o que sim, tem importância foi o prolongado período desenvolvido pela onda intermediaria (2) a qual permaneceu presa…

Índice Dow Jones Industrial – Análise Técnica em 06-10-2017

Tenho péssimas notícias, mas quando anunciadas com alguma antecedência podem se tornar em grandes oportunidades. Se não quiserem perder dinheiro prestem atenção ao que tenho a dizer. O gráfico DJI, acima, indica o ocorrido, também previsto por mim, em consequência da grave crise de 2.008. O Índice havia completado a onda primária III em 14.198,10 e caiu, no bojo da onda IV, para 6.469,95, uma perda de 7.728,15 pontos ou 54,43%! Para amenizar os efeitos da grave crise econômica, o FED, o Banco Central dos EUA, introduziu os programas Quantitative Easing, por meio dos quais foram injetados na economia 4 trilhões de dólares, surgidos da impressora oficial. A impressionante liquidez gerada por esses programas turbinou as bolsas com impressionante evolução até os dias atuais. Minha análise é fundamentada nos ciclos econômicos e se desenvolvem em cinco ondas sucessivas, três de alta e duas de correção técnica, mantendo as características de mercado Bull. Como o gráfico indica, quatro ondas deste ciclo…

Mercados de ações – índices – Análise técnica em 04/08/17

ÍNDICE NASDAQ Está impossível efetuar uma análise substantiva. A razão é a seguinte: o índice tem em sua composição um alto percentual de empresas verdadeiramente campeãs: Apple, Microsoft, Amazon, Alphabet (Google) e Face Book. Dado o elevado valor atingido por essas empresas, que se tornaram alvo de demandas pelo governo por prejudicar a concorrência em função de suas altas tecnologias e modelos exitosos de negócios, suas cotações têm oscilado com alta volatilidade. Parece que os EUA já não são o país das oportunidades. O gráfico ao lado indica claramente a repercussão no índice, desse fato. Contudo, efetuando uma projeção das minhas análises anteriores, o índice teria por meta, ao completar a atual onda w1, componente da onda intermediaria (5), alcançar as cotações na faixa 5.803 – 6.263. Na realidade, o máximo atingido foi 6.422,75, em 26/julho, excedendo minha meta em 2,6%. ÍNDICE DOW JONES: Está para completar a onda w3 componente da onda intermediara (1) na cota máxima 23.090. Após,…

ATUALIZAÇÃO DO ÍNDICE BOVESPA 17/02/2017

Como podem observar pelo gráfico, o índice rompeu a resistência superior do túnel, no qual ficou recluso desde novembro de 2010, mas sem grande entusiasmo pela liberdade. Observe o ritmo da subida à esquerda como era expressiva. O mesmo gráfico em variação semanal mostra a evolução da onda intermediaria (3) se desenvolvendo em cinco ondas 1-2-3-4 e a 5 irá finalizar no máximo em 74.053 de onde retornará numa correção técnica, no bojo da onda (4) de grau intermediário. Até lá, as escolhas deverão ser bem seletivas e os resultados podem surpreender.

ÍNDICE BOVESPA 06/12/2016

Como o gráfico indica, o Bovespa conseguiu sair do túnel que o manteve cativo por longos anos, mas não teve forças para se afastar resolutamente da linha de resistência superior. Também com a situação política e econômica que envolve o país, até que o índice foi corajoso em alçar voos acima da resistência. Completou a onda w3 na cota 65.291 e atualmente está desenhando o tríplice a-b-c que completará a onda w4. No momento, a cota mínima atingida foi 58.092 que varou dois suportes, mas os indicadores não garantem a virada ainda, situação essa que poderá levar o índice a testar o terceiro suporte em 54.646. Se tal ocorrer, o índice entrará novamente no túnel e necessitará de muita energia para dele sair.

ATUALIZAÇÃO DO ÍNDICE BOVESPA EM 24/10/2016

Conforme havia mencionado na última análise deste índice, se houvesse o rompimento da linha de resistência do túnel, onde o índice permaneceu cativo por seis anos, poderia subir razoavelmente no bojo da onda intermediaria (3), composta de 5 ondas menores. Terá terminado este ciclo, tal como indicado acima? Temos que observar duas coisas: hoje o índice apresentou uma volatilidade anormal, tal como se pode observar pela última barra de cor verde. Isso representa um crescente nervosismo dos investidores, principalmente dos estrangeiros que estão sendo falsamente informados de que a situação no Brasil mudou da água para o vinho, com as medidas tomadas pelo novo governo. Aqui, nós sabemos que ainda nada foi aprovado, que a situação continua confusa, que prefeitos e governadores têm ido à Brasília em busca de verbas e que a situação fiscal do país não vai mudar até final de 2017. Contudo, a Bolsa não tem correlação com fatores econômicos e sim com o comportamento dos investidores.…

ATUALIZAÇÃO DO ÍNDICE BOVESPA EM 14/09/2016

Como poderão verificar nas análises anteriores deste índice, afirmei que o mesmo está recluso em um túnel descendente desde novembro de 2010. O gráfico mostra as linhas delimitadoras desse túnel, as linhas de suporte e resistência. Como podem observar, embora essas linhas tenham sido rompidas, não houve descolamento das barras na linha superior de resistência, razão pela qual o índice retrocedeu e o fará até duas linhas de suporte em 55.630, e se varada esta irá buscar suporte na segunda em 52.743. Estas são as duas principais cotas alvo na hipótese de que o índice está desenvolvendo a onda menor ‘4’. A probabilidade de que esta versão esteja correta é de 75%. Contudo, se o segundo suporte for varado, com uma barra totalmente despregada da linha, a queda será maior e teremos a formação de um tríplice que o conduzirá às cercanias da barra inferior do túnel. Até lá daremos os detalhes desse movimento com 25 % de chance. ***

ATUALIZAÇÃO DO ÍNDICE BOVESPA 17/03/2016

Como podem observar, os movimentos apresentados pelo Índice são bastante voláteis e não indicam uma tendência consistente. Enquanto o Lula entra e sai e volta a entrar, o Bovespa continua prisioneiro do túnel onde se encontra desde 2010. Os indicadores são divergentes entre si e, sem acordo, conduzem o Índice ladeira abaixo em perfeita convergência com o Brasil. Como disse na análise anterior, somente quando ultrapassar a resistência superior, poderá o Índice deslanchar para uma alta mais prolongada, mas a probabilidade de que isto venha a acontecer está em torno de 28,75%. Mesmo assim, entre long e short, se pode desfrutar de muita alegria.

ATUALIZAÇÃO DO ÍNDICE BOVESPA 04/03/2016

Na análise anterior citei duas possibilidades para os próximos movimentos do índice: aparentemente, prevaleceu a alternativa de alta e, como assinalei, precisamos esperar que o índice confirme o início da onda (3) superando e se despregando da linha de resistência superior do túnel onde o índice está prisioneiro há pouco mais de cinco anos. A característica desta alta me parece totalmente de cunho político em razão das notícias que vieram ao conhecimento do público e que acenderam as esperanças de uma troca de governo e, por consequência, a espectativa do retorno da Ordem e Progresso. Trata-se de um movimento emocional e a análise técnica comprova isso, pois os indicadores vieram atrás do movimento do índice e não o antecipando. A seguir a Opinião do Analista sobre o que me parece ser o significado desta alta expressiva. OPINIÃO DO ANALISTA Creio que esta alta não vai durar e o índice deverá retornar, em breve. A razão é que além da emoção…

ÍNDICE BOVESPA – Atualização em 25/02/2015

Como se pode observar, o índice atingiu o ponto ‘e’ previsto pela finalização da onda intermediaria (2), pertencente a onda primária V; varou parcialmente a linha de sustentação, mas não se despregou dela. Após apresentou reação positiva com razoável aumento sem, entretanto, se despregar da citada linha. Essa situação impõe um período de espera e observação. Se o índice baixar e despregar irá bastante abaixo até o nível de finalização da onda primária IV, indicada no gráfico. Se ocorrer o contrário estará indicando que a onda intermediaria (3) pode estar iniciando e só confirmará essa possibilidade quando ultrapassar totalmente a linha de resistência acima.

ATUALIZAÇÃO DO ÍNDICE BOVESPA – 23/11/2015

Tenho andado quieto por longo tempo em relação ao Bovespa, mas como se pode observar no gráfico acima, nada de novo acontece. Continua prisioneiro do túnel, sem luz em seu final, mas pelo que interpreto, está próximo da finalização da onda (2) o que ocorrerá na linha de sustentação inferior, no ponto ‘e’, ao redor dos 40.000, ou pouco menos.  Levy, socooorrrroo!

Atualizando ‘A Guerra do Petróleo’

Muitos têm me perguntado se é hora de comprar Petrobrás. Respondo que não.  Outros têm a curiosidade de saber porque o petróleo ficou tão barato? Respondo que é uma longa história. Hoje resolvi conta-la. Já mencionei sobre o perigo de default de trilhões de dólares no mercado de bonds, emitidos para financiar a exploração e desenvolvimento da energia extraída das rochas de xisto com a chamada tecnologia fracking.  Esses bonds foram emitidos na suposição de que o preço do petróleo permaneceria na faixa de $ 80 – $120, por barril. Com o óleo negociando atualmente na faixa de $40 – $60, 50% abaixo do preço estimado no projeto de exploração, é fácil de se prever que ao longo de 2016 muitos desses bonds deixarão de ser honrados.  A maioria das empresas de petróleo envolvidas nessa exploração nas rochas de xisto são muito endividadas e alavancadas. Como a produção foi mais exitosa do que se esperava, a extração de petróleo nos…

Crash no Mercado de Ações da China

O que você precisa saber para compreender o que se passa nos mercados financeiros da China e que vão comprometer o nosso mercado e todo o mercado ocidental. Deng Xiaoping, o anterior líder chinês, arquivou o livrinho vermelho do atraso adotado pelo seu antecessor Mao Tsé-Tung em sua chamada Revolução Cultural, um desastre de triste memória.  Foi o gestor do milagre chinês do século XX assumindo o governo do país empobrecido, na época mais atrasado economicamente que o Brasil, de planejamento centralizado e economia basicamente rural e o transformou no país vibrante, orientado para exportações e produção com alto valor agregado que é hoje. No seu governo, a economia do país cresceu a taxas astronômicas em relação aos seus pares ocidentais e numa única geração a China se transformou na segunda maior economia do planeta e no detentor do maior comercio internacional, superando os EUA. Todo esse extraordinário progresso bem-sucedido e orientado pelo governo central é muito recente e as…

ATUALIZAÇÃO DO ÍNDICE BOVESPA 19 08 2015

 ATUALIZAÇÃO DO ÍNDICE BOVESPA  19 08 2015   Estou me tornando repetitivo, pois desde que o índice alcançou a cota máxima da onda intermediaria (1) em 73.103, num dia chuvoso de 30/11/2010, eu previ uma queda ampla e prolongada que poderia alcançar os níveis de sustentação em 56.422 ou 46.116.  Contudo, o índice rompeu esse padrão, pela primeira vez em 31/07/2013, um dia frio e ensolarado, respeitando sempre duas linhas declinantes de sustentação e resistência que deram formação a um túnel no qual o índice tem se mantido de forma comportada sem que se vislumbre nenhuma luz em seu final, por enquanto. O mais provável comportamento futuro é que o índice, que vem desenvolvendo cinco ondas formadas por tríplices bem característicos, termine esse processo no ponto ‘e’ ao redor de 40.000 pontos, com perda de 15% em relação ao seu valor atual, dando por terminada a onda intermediaria (2).  O que virá depois depende de alguns fatores estruturais e basicamente…

ÍNDICE BOVESPA – ATUALIZAÇÃO EM 28 05 2015

ÍNDICE BOVESPA – ATUALIZAÇÃO EM 28 05 2015 Não há nada a atualizar em relação a nossa última avaliação abaixo: ==================== I. Bovespa – Atualização em 10 03 2015 Sobre este índice há pouco a dizer, porque não apresenta nenhuma variação em relação às previsões anteriores. Faz quatro anos e meio que está prisioneiro de um túnel sem sinal de luz e a tendência é buscar a linha inferior no ponto ‘e’, lá pelos 40.000 pontos, onde poderá completar a onda intermediaria (2), componente da onda primária V. Nesse sobe e desce, para quem surfa bem nas ondas, a bolsa ofereceu boas oportunidades de lucro. Se o DJ cair, como espero que aconteça, a Bovespa vem abaixo junto e o ponto ‘e’ será atingido em breve. Boa sorte! ======================= Como se observa no gráfico acima, o índice segue o seu caminho em busca do ‘e’ na linha inferior do túnel, no qual está prisioneiro há pouco mais de 4 anos,…

I. Bovespa – Atualização em 23 01 2015

Como se observa no gráfico acima, o índice segue o seu caminho em busca do ‘e’ na linha inferior do túnel, no qual está prisioneiro há pouco mais de 4 anos, onde completará a onda intermediaria (2) nas proximidades de 40.000 pontos. Somente, então, terá chances de mostrar uma recuperação mais evidente e se superar a linha superior do túnel, se despregando dela, terá confirmada a formação da onda (3), esta de longo prazo.  A alternativa será a formação de mais um triângulo a-b-c, caso a alta que se seguirá após ‘e’ não apresente o padrão adequado. Será um caso a analisar na ocasião. Contudo tenha em conta que o índice é apenas um indicador e mesmo em tempos de crise, como o que vivemos, há setores que estão se desenvolvendo bem.  Se há muitos que choram, há os que lucram vendendo lenços. Se faltar água, outros lucram com caixas d’água.  Se faltar luz, cresce a demanda por geradores. Uma…