GUERRA COMERCIAL EUA & CHINA

O FATO: No dia seis de julho, dia no qual a Seleção do Brasil voltou para casa, a guerra comercial imposta por Trump foi iniciada, para valer. EM QUE CONSISTE: Vários produtos importados da China, principalmente aço e alumínio, além de outros produtos dos setores de tecnologia, aeroespacial, TI, autopeças e instrumentos de medicina terão taxas aduaneiras de 25%. O QUE ISSO REPRESENTA: US$ 34 bilhões de produtos oriundos da China ficarão mais caros para os americanos. Na realidade é muito pouco e pouco irá afetar as exportações globais da China, incluindo as destinadas aos EUA. Esse Valor é muito inferior às exportações totais da China para os EUA. Ademais os produtos americanos, como aço e alumínio, são mais caros e menos competitivos que os produzidos na China. Contudo, os americanos não irão investir em novas fábricas ou na modernização das existentes, para aumentar a produção interna e melhorar a competividade, porque não estão seguros de que essas medidas sejam…

China finaliza a implantação de seu secreto plano estratégico

Vim passar uns dias em Guarujá para meu retiro periódico e solitário de uma semana. Hoje acordei bem cedo, antes das seis horas, fiz meus alongamentos habituais e contemplei a praia de Pitangueiras vazia de gente e guarda sóis. Fiz, em seguida, uma meditação profunda e prolongada e só retornei às oito, quando a praia, contemplada da minha varanda, já apresentava muito movimento, o sol ia alto e quente e eu estava cheio de vontade de escrever e partilhar minhas avaliações com os poucos, mas felizmente diferenciados e fieis leitoras e leitores. Enquanto Trump se distrai em tuitar suas ameaças ao jovem Líder Atômico e buscar, sem sucesso, o apoio da China para conter o avanço do programa nuclear na Coreia do Norte, a China está ativamente estruturando e finalizando o secreto Plano Estratégico que publiquei, em três capítulos, em 23 de setembro de 2015, o qual faz hoje seu segundo aniversário. Confesso que o li, novamente, e fiquei surpreendido…

FOGO E FURIA

Muitas pessoas, americanos inclusive, não tomaram consciência ainda dos riscos iminentes de uma hecatombe mundial que poderá ser provocada pela Coreia do Norte. O líder norte coreano está empenhado em transformar seu país em mais um possuidor de armas atômicas, afim de preservar o seu regime ditatorial e de ser tratado de forma diferenciada, como os demais países que conseguiram alcançar essa qualidade. Já teve ocasião de mencionar que Kadafi , da Líbia e Saddam do Iraque, que acederam transformar seus programas nucleares defensivos em energéticos, acabaram mal. Por isso, Kim-Jong-um, não tenham nenhuma dúvida, está determinado a produzir foguetes, miniaturizar bombas nucleares e se projetar como potência atômica. O governo Obama foi muito condescendente com a Coreia do Norte achando que o país não tinha condições técnicas, financeiras e logística para se tornar no que efetivamente já se tornou. Agora, será difícil reverter o problema, mas terá de ser revertido ainda que a um custo muito maior. Os EUA…

PODER MUNDIAL SOFRERÁ GIRO DE 180°

Hopi Hari, o maior parque temático e de diversões do Brasil vai fechar. Motivo: excesso de dívidas que provocou a insolvência do grupo. Essa notícia vocês já sabem, leram nos jornais e viram no noticiário de TV, mas não tem nenhuma importância, pois milhares de outras empresas comerciais, industriais e de serviços fecharam pelo mesmo motivo: excesso de dívidas que produzem queda de receita e de crédito e conduzem à bancarrota. Se é verdade para empresas mal geridas também é verdade para países mal administrados: Grécia, Porto Rico, Venezuela falidos e o Brasil a caminho do abismo, como afirmou Delfim Neto, se os políticos não tomarem vergonha e aprovarem as reformas que estão sendo propostas, sem desfigurá-las. A nossa crise desempregou 14 milhões de brasileiros, mas o número de desempregados e miseráveis é visivelmente muito maior. O que pretendo revelar aqui trata-se de acontecimentos em âmbito global, muito importantes e tenho certeza de que quase ninguém está sabendo o que…

EUA, CHINA, RÚSSIA E O MUNDO QUE SE DANE

Há muitos e respeitáveis analistas do mercado financeiro apostando numa maxidesvalorização do Yuan, a moeda chinesa, o que traria, caso efetivada, tumultos nos mercados mundiais como a queda abrupta nas bolsas de valores em todo o mundo, Brasil incluído. Falam até em queda de 20 a 30% o que produziria uma perda de riqueza excepcional. Darei abaixo o decálogo de motivos que são arrolados para essa previsão e, em seguida, minhas ideias à respeito, que indicam porque não partilho da mesma opinião. 1-Trump declarou várias vezes, inclusive no twitter, que a China é manipuladora de sua moeda. 2-Surpreendentemente, também declarou que o dólar está muito forte e ele quer um dólar mais fraco. Consequentemente, Trump espera que a China deixe sua moeda valorizar mais. 3-Trump colocou em risco a política chinesa de “Uma Só China”. Essa política significa que a China quer que os EUA continuem a reconhecer Taiwan, a província rebelde, como parte do território chinês e não como outro…

TRUMP, SEUS PROJETOS E A NOVA MOEDA MUNDIAL

Este será o último relatório que publicarei neste ano. A importância dele é avaliar até que ponto o novo presidente Donald Trump seguirá adiante com suas promessas eleitorais. Nesta análise estarei atualizando a situação econômica real dos EUA e sua inter-relação com um mundo em rápida mutação e novos paradigmas. TRUMP E SEUS PROJETOS Os analistas de mercado comparam o projeto de Trump ao de Reagan, que em sua ocasião produziu crescimento econômico, bolsas em alta e ofertas generosas de emprego. Como as propostas são semelhantes, o mercado reagiu com euforia a partir de novembro, após a inesperada vitória de Trump, antecipada meses antes em minhas colunas. Dow Jones, Nasdaq e S&P 500 subiram com grande euforia antecipando o “Make America Great Again”. Será isso possível? As condições na época de Reagan eram completamente diferentes das atuais. O endividamento do país era de 55% do PIB, os EE. UU tinham a hegemonia do comércio mundial e o dólar reinava sozinho…

O MUNDO CASHLESS E O COMBATE À CORRUPÇÃO

Já escrevi vários artigos sobre a nova moda que está pegando no mundo desenvolvido — the cashless — a sociedade sem papel moeda. Recentemente, trouxe aos meus distinguidos leitores e leitoras minhas observações na Suécia, uma sociedade que já não aceita dinheiro. Até mesmo nas igrejas, o dízimo, antes recolhido dos fieis em sacolas ao longo das naves laterais, agora se faz pela transferência de conta à conta, através do celular. A novidade que trago, agora, é que essa prática atingiu de forma drástica um pais em desenvolvimento, integrante dos BRICS, a ÍNDIA. Provavelmente você não tomou conhecimento, pois assuntos importantes internacionais passam batido pela nossa imprensa tupiniquim. O governo da Índia, neste mês, precisamente no dia 8, baixou uma lei tornando sem valor legal as notas de 1,000 e 500 rupee. O dinheiro no bolso do indiano ou guardado no cofre em sua casa, instantaneamente, tornou-se sem valor. O governo permite que o cidadão vá até o banco mais…

Donald Trump e a “America Great Again”

DEMOCRACIA É O SISTEMA POLÍTICO NO QUAL OS CIDADÃOS ELEGEM OS SEUS DIRIGENTES, QUE GARANTE A LIBERDADE DE EXPRESSÃO, NÃO ABRIGA PRIVILÉGIOS DE CLASSE DE NENHUMA NATUREZA E NO QUAL O POVO EXERCE SUA SOBERANIA. 1-Quando os políticos podem se aposentar com apenas 8 anos de “serviços prestados à nação”, com rendimentos integrais… 2-Quando funcionários públicos podem se aposentar com salários integrais… 3-Quando os trabalhadores privados se aposentam com menos de um terço de sua renda na ativa… 4-Quando políticos cometem crimes comuns como roubo descarado, cobram propinas ou fazem de sua atividade representativa um balcão de negócios particulares e ainda possuem foro privilegiado para não serem julgados até a prescrição da pena… 5-Quando o dirigente de uma nação promove perseguição religiosa, a estrangeiros e imigrantes de outras raças… …TEMOS DEMOCRACIA? Não, a democracia como forma de governo já foi extinta da face da terra em todos os países do planeta. Só que as pessoas ainda não se deram conta…

Sistema Financeiro Internacional – Mudanças à vista que impactarão nossa vida

1- Um Mundo Endividado De acordo com o FMI, o mundo está inundado com US$ 152 trilhões de débitos, públicos e privados. Esse número sozinho diz muito e nada, ao mesmo tempo. Então vejamos o que significa, realmente: esse monte de trilhões cobriria nove campos de futebol apenas com notas de $100 dólares empilhadas a uma altura de 33 metros, o equivalente a um prédio de 11 andares. A ideia ficou melhor, agora? Esse débito significava, 225% do produto bruto mundial, em 2015. Trocando em miúdos, significa que para cada dólar de riqueza criada, com produção de bens e serviços, se faz necessário $2,25 de novos empréstimos. Como referência, quando a União Europeia foi criada ficou estabelecido um acordo entre os países membros de que cada país não poderia exceder 60% na relação débito/GDP. (GDP é o equivalente ao nosso PIB). Entretanto, Grécia, Espanha, Itália, Portugal e quase a maioria dos países não respeitaram esse limite e a Europa está…

AQUI VALE MAIS O DINHEIRO EM PAPEL

O outro lado da moeda Segundo a Wealth – X Billionaire Census, os bilionários do mundo todo estão mantendo cerca de US$ 1,7 trilhões em dinheiro vivo. Quer saber o motivo? Estamos em um cenário de taxas negativas em quase todos os bancos do mundo desenvolvido. (Não é o caso do Brasil, campeão medalha de ouro dos juros altos). Juros negativos significam que temos de pagar para que nosso dinheiro fique depositado nas contas correntes dos bancos. Se aplicar em bonds, além da taxa próxima de zero, os títulos estão se desvalorizando pelo excesso de ofertas. Os EUA, Japão e Europa fizeram os programas ‘Quantitative Easing’ que significou a compra de títulos da dívida negociados no mercado para seus respectivos tesouros e, em contrapartida, injetaram uma quantidade absurda de dinheiro vivo nos seus respectivos mercados. O FED, com uma estrutura desequilibrada de endividamento (tem 83 dólares de dívida para cada dólar de patrimônio próprio), necessita iniciar um programa de venda…

A QUEDA ANUNCIADA DO DOLAR

Quando em minhas publicações, todas disponíveis neste site, demonstrei com relatórios oficiais e dados da economia americana que o dólar não tinha sustentabilidade e iria cair, ao redor de 30%, pouca gente acreditou. Disseram que os americanos sempre deram a volta por cima e que o dólar era o paraíso da segurança. Quem acreditou se deu bem e defendeu seu patrimônio, os demais perderam dinheiro de forma irrecuperável. A tendência está longe de terminar. No próximo dia 4 de setembro haverá um novo encontro do G-20 em Hangzhou, na China, onde provavelmente comparecerá Michel Temer na qualidade de presidente efetivo em sua primeira viagem oficial internacional. O presidente Xi Jinping será o presidente do evento e anunciará sua condição de ser um igual parceiro com os EUA na administração do Sistema Financeiro Internacional. A partir dessa data, o yuan, o ouro e SDR serão as alternativas ao King Dollar, cuja importância como moeda reserva irá fenecendo a partir de então.…

A ECONOMIA AMERICANA E OS MERCADOS

O QUE JANET YELLEN SABE, MAS NÃO REVELA Na semana passada, os mercados reagiram negativamente às revelações do relatório sobre emprego nos EUA. Este indicava que a economia daquele país havia acrescentado 38.000 novos empregos, o pior indicador em seis anos. A Chefe do Federal Reserve fez pouco caso afirmando que, apesar de pouco, o número ainda indica um crescimento da economia e que o fato é positivo. Por via das dúvidas, Janet Yellen achou por bem prorrogar o prometido aumento da taxa de juros, que como eu já havia previsto, não seria aumentada, outra vez. Minhas razões são racionais e não emocionais. Então vejamos o que a Yellen sabe muito bem para tomar esta decisão acertada. Ela sabe que o importante não é observar o número em si, mas a tendência, a qual se comparada com os trimestres anteriores revelam uma queda continua na oferta de novos empregos. Outro dado é ter em mente que as informações sobre a…

Notícias Rápidas de Portugal II

Os índices Dow Jones, Nasdaq e S&P 500 estão todos abaixo dos topos alcançados, há mais de um ano. Há três grandes obstáculos que são responsáveis por esta situação: 1 – A EPIDEMIA DAS TAXAS NEGATIVAS. Os bonds de 10 anos dos governos do Reino Unido, Alemanha, Suíça e Japão, todos eles alcançaram seus picos históricos nesta semana, o que significa que também tiveram seus yields no fundo do poço. Os bonds alemães tiveram seu yield negativo pela primeira vez na história. Isso deve significar algo, né não? A única razão para investidores possuírem bonds com taxas negativas é o medo. Preferem perder algum dinheiro e manter o principal a salvo garantido pelo governo. Nesta importante semana, o mundo viu mais de US$ 10 trilhões de bonds governamentais com rendimentos abaixo de zero. Alguns investidores institucionais acham que poderão ganhar algum se as taxas baixarem ainda mais, como esperam, o que resultará na elevação dos preços dos títulos. Parece loucura,…

Notícias Rápidas de Portugal

Estou aqui em Portugal e observo que este mês é crucial para os mercados, possivelmente produzindo muita volatilidade ou possivelmente um mini-crash. 1) dia 20 o FED, o Banco Central Americano define o novo aumento da taxa de juros. Minha previsão: não haverá aumento, pois no mundo todo os bancos centrais estão operando com taxa negativa, ou seja, cobrando dos poupadores pela permanência de suas economias no Banco. Isso significa o quê? Que os governos não querem que você poupe e sim que gaste seu dinheiro para ativar a economia mundial, em recessão. Você vai gastar? Muito provavelmente não, pois a situação está difícil, os empregos em declínio e você certamente, inteligente como eu, vai buscar uma nova forma de aplicação: o ouro e a prata que, em qualquer situação, terão seus valores intrínsecos mantidos. 2) dia 23 a Grã-Bretanha define em plebiscito se permanece na União Europeia ou sai dela. Minha previsão: sairá. Vários fatores estão em jogo: o…

ARÁBIA SAUDITA E A SECRETA BOMBA FINANCEIRA

ARÁBIA SAUDITA – O que ainda não contei. Há cinco anos atrás, encontrei-me com um velho amigo argentino, executivo da sucursal de um grande banco europeu e residente em Nova York.  Fomos comer um brunch no restaurante Balthazar, em pleno Soho, e entre vinhos e saborosa comida discutimos a situação da economia americana a qual acompanho de perto, há bastante tempo. Meu interlocutor estava muito otimista e comentou que os EUA estavam desenvolvendo uma nova tecnologia ligada ao setor energético que era tão rentável que seria capaz de pagar, em 10 anos, a totalidade da dívida nacional. Disse-me que se tratava de um quase segredo de estado e que iria colocar a OPEP de joelhos. —Nesse caso, esse “segredo” deve estar relacionado com o petróleo e, se me permite a intromissão, com as pesquisas relacionadas às rochas de xisto, estou certo? Ele tentou disfarçar a surpresa e acrescentou que se tratava de segredo para o grande público e para a…

A MUDANÇA DE PARADIGMA QUE ESTÁ AFETANDO TODO O MUNDO

Como Kissinger salvou o trono do King Dollar Para situá-lo no contexto deste artigo, cujo tema não verá discutido na mídia, embora seja de suma importância, pois afetará o nosso modo de vida presente, no futuro próximo, vou antes recorrer a alguns fatos históricos. O Sistema Monetário Internacional recriado em 1944 em Bretton Woods (BW), após a WWII, colocou o dólar americano no trono da moeda reserva internacional, desbancando o British Pound Sterling que reinou sozinho por séculos. O Sistema BW atrelava cada moeda, dos vários países integrantes do acordo, ao US dollar em uma taxa fixa de câmbio e o US dollar fixado ao ouro a uma taxa oficial de US$ 35/ounce. A vinculação do ouro ao dólar é que garantiu a confiabilidade da moeda, já que o Sistema BW permitia a qualquer país, empresa ou cidadão trocar seus dólares pela quantidade de ouro equivalente, à taxa oficial. O sistema funcionou muito bem até que, no decorrer dos anos…

A ECONOMIA AMERICANA IV – EPÍLOGO

Minhas previsões não são pessimistas, são realistas. A apregoada crise já começou e terá desdobramentos impressionantes. Provavelmente você ainda se lembra da ENRON, a gigante americana de energia que já foi a companhia mais admirada do mundo e que, entretanto, faliu da noite para o dia. Nem o governo, nem a imprensa, nem os brokers de Wall Street fizeram qualquer advertência. Em 2000, Charles Pearce aposentou-se dessa empresa aos 63 anos. Recebeu, em função de seu alto cargo, um portfólio de ações, bônus e opções dessa companhia no valor de $ 1,3 milhões de dólares. Ele pensava passar os dias restantes de sua vida viajando, jogando golfe com amigos e frequentado os melhores restaurantes. Quando a ENRON faliu em 2001, o fundo de Charles se reduziu de $ 1,3 milhões para apenas $13 mil.    Ele levou 33 anos para economizar esse dinheiro que desapareceu como por encanto. Mais de 20.000 empregados foram atirados à rua sem nada, milhares de investidores…

A ECONOMIA AMERICANA III

O que os americanos deveriam saber, mas não são informados. Veja aqui, passo-a-passo, o que falta para o dólar despencar 33% WALL STREET: A política financeira do FED, de juros zero e recursos abundantes para o crédito, foi a responsável pela alta continuada da Bolsa dando a impressão de que tudo corria otimamente bem com a economia e que os americanos não precisavam se preocupar. Observem os dois gráficos abaixo cobrindo o mesmo período, o da esquerda indicando a quantidade de recursos aplicados no mercado acionário e o da direita o desempenho do Índice S&P 500. Há uma correlação perfeita entre ambos. MARGEM Outro indicador que nos auxilia no diagnóstico da sanidade do mercado é o débito em margens. Margin debit é a quantidade de dinheiro que os investidores tomam emprestado para aplicar em ações. Você pode tomar emprestado, suponhamos 1 milhão de dólares a custo muito baixo e aplicar em ações que estão se valorizando sem interrupção e, ao…

A ECONOMIA AMERICANA II

O que os americanos deveriam saber, mas não são informados. No relatório de mesmo nome da semana passada, lancei ao final uma inquietante pergunta: “O QUE ESTÁ PRODUZINDO O CRESCIMENTO DO PIB? ” A resposta simples, direta e precisa é: o débito. Muita gente se impressiona desnecessariamente com o débito. Ele é um instrumento eficaz de progresso e, se bem utilizado e com critério, pode aumentar a eficiência e riqueza de uma empresa ou de um país. Para efeito didático, imaginemos que os EUA sejam uma grande empresa—América Ventures Corp.— onde seus empregados sejam o povo e os acionistas, os políticos. Os escolhi para essa função porque os políticos, não todos, mas quase todos, se julgam donos do país e que os recursos produzidos pelos empregados, o povo, pertencem integralmente a eles. O povo trabalha duro, produz alimentos, máquinas, produtos variados, constrói pontes, estradas, faz a limpeza, cuida da saúde dos empregados doentes, exporta os produtos excedentes e tudo isso…

A ECONOMIA AMERICANA I

O que os americanos deveriam saber, mas não são informados. Como os brasileiros serão atingidos, mas preferem não saber. Um de meus leitores me enviou um e-mail fazendo uma crítica construtiva sobre o que tenho revelado a respeito dos EUA. Disse-me ele que segundo reportagem que leu no New York Times não havia motivo para preocupação. E seguiu arrolando alguns dados publicados no citado artigo: o PIB doméstico dos EUA vem crescendo desde a recuperação iniciada após a crise de 2008. Nestes últimos 7 anos o PIB cresceu US$ 1,76 trilhões, as bolsas americanas subiram sem parar refletindo a saúde da economia, a inflação continua bem abaixo de 2%, a taxa básica de juros entre zero e 0,25% a.a. e a taxa de desemprego está entre as mais baixas das economias avançadas.  Então me pergunta: em que se baseia sua preocupação com a forte e estável economia americana? Os números citados parecem convincentes, não lhe parece? Então, vamos juntos observar…