maio 172015
 
Dagoberto Aranha Pacheco

Posso visualizar no horizonte financeiro uma tempestade em formação.  A maioria das pessoas não faz ideia do que está prestes a acontecer e de como tal acontecimento poderá alterar completamente nossa situação econômica e financeira. Trata-se de um assunto que você precisa entender e preparar-se já, antes que seja tarde demais. Será, sem sombra de dúvida, uma das maiores transformações entre as que tenho visto em meus 45 anos de mercado.

Dollar vs. Yuan - Torn hundred dollar bill with Mao from yuanEm outubro próximo o Fundo Monetário Internacional (FMI) fará um anuncio que poderá alterar radicalmente o mercado financeiro e dar início a uma transferência de riquezas como nunca se viu, impactando países ao redor do mundo. A grande mudança se refere ao mercado de moedas.

Vamos começar a entender de que se trata. Um cidadão americano não precisa (até outubro) se preocupar com as cotações das moedas. Tanto faz que o Euro caia e o Yen suba, ele não está nem aí! Porque tudo que esse cidadão compra ou vende, exporta ou importa é cotado em dólares. “Assim, a mudança de cotações das moedas ocorre em outros países e não no nosso”—pensará com alguma razão.

Mas, sempre há um mas, estará totalmente errado após o mês de outubro, como explicarei em seguida. Como terá a oportunidade de saber pela imprensa bem lá para a frente, o FMI se reunirá para discutir o ‘Reserve Currency Status’ ao redor do mundo, para valer para os próximos cinco anos. Imagino que é mais que provável que concederão à moeda de um grande país o status de moeda reserva.

Se você está meio perdido e com vontade de abandonar a leitura porque aparentemente nada lhe diz respeito, não se preocupe, você não está sozinho e por isso mesmo a mídia não se interessa por estes assuntos e investe mais nos programas tipo Brasil Urgente ou Cidade Alerta de onde escorre sangue pela tela da TV. É uma forma de deixar o povo alienado.

Se você resistiu e continua aqui, vou lhe explicar tudo que precisa saber para se precaver do tsunami que virá.

Comecemos pela reserva. Uma reserva internacional é o dinheiro que é retido em grande quantidade (bilhões de dólares) para garantir e processar os pagamentos internacionais e compromissos nas transações comerciais. Até agora, a moeda dominante como reserva mundial é o rei dólar. Por isso a maioria das reservas está nos EUA.

P.ex: se o Brasil exporta minério de ferro para a China, pela nossa Vale do Rio Doce, a China pagará ao Brasil em dólares. Os bilhões de dólares transitam de avião de um lugar para outro? Nem pensar!  Simplesmente os dólares da reserva da China nos EUA vão para a conta dólares da reserva do Brasil, também nos EUA. Os dólares não saem do lugar. E a Vale? Fica com olhar de paisagem? Não, é claro. Se o Brasil ganhou reservas adicionais com a exportação da Vale, pode emitir os reais correspondentes lastreados naquela reserva e pagar a Vale em reais. Há outros instrumentos para isso, mas vamos ser simples.

Os EUA são o único país no mundo que não tem de pagar suas importações em moeda estrangeira. Agora você já compreendeu porque os EUA são um país diferente e o americano um povo rico embora super endividado, como mostrei nas Letters anteriores. Podem imprimir quanto dólares necessitam sem causar muita inflação justamente porque o mundo todo está ávido de dólares para poder expandir seu comércio com o mundo que se globaliza cada vez mais.

Se a Venezuela necessita de dólares para pagar os empréstimos feitos pelo nosso BNDES onde consegue os dólares? Numa casa de câmbio? Nada disso, ela precisa exportar seu petróleo para os EUA e este país coloca os dólares correspondentes na conta reserva da Venezuela. Embora o presidente daquele país viva repetindo para a ninguenzada da sua terra o mantra ‘Gringos go home’ tem os EUA como seu principal cliente importador de petróleo.

Atualmente há três moedas principais autorizadas a funcionarem como reserva internacional:

US dollar………………..62%

Euro………………………25%

Cesta de Moedas……13% (Japão, Inglaterra, Canadá, Austrália, Suíça)

Um peso pesado, a 2º maior economia do mundo e a detentora do maior comercio internacional é o candidato já inscrito e que cumpriu com todas as exigências estabelecidas pelo FMI. (Algumas em excesso, como fiquei sabendo e que me referirei a elas oportunamente).

Se pensou no renminbi, acertou, embora acredite que adotarão a designação Yuan, mais curta e que significa o mesmo.

Ninguém está falando disso ainda, mas acredito que se tornará o assunto dominante nos mercados mundiais nos próximos meses.

Isso pode parecer uma ideia maluca para muitos. Há gente séria e muito competente que acha isso. Na próxima Letter retomarei este tema para mostrar como minhas pesquisas me levam a concluir o contrário.

Fiquem atentos, na semana próxima estarei de volta.

(Quem perdeu as Letters iniciais poderá acessá-las diretamente aqui)

Deixe um comentário seu:

%d blogueiros gostam disto: