ÍNDICE BOVESPA – Atualização 27/10/2014

ÍNDICE BOVESPA – Atualização 27/10/2014

ÍNDICE BOVESPA – Atualização 27/10/2014
ÍNDICE BOVESPA – Atualização 27/10/2014

      Dagoberto Aranha Pacheco

Completada a onda w3 em 62.304, abaixo do máximo (63.485) que havia previsto, a onda w4 segue seu curso com bastante volatilidade por causa do processo eleitoral. Agora que a situação se definiu com a continuidade da presidente Dilma, a situação tende a se acalmar. A baixa ocorrida no primeiro dia pós-eleição apresentou uma oscilação ampla, mas os indicadores mostram que o índice pode iniciar uma recuperação na terça-feira.   O segundo suporte indicado no gráfico foi varado em três dias consecutivos, mas não houve descolamento o que é bom sinal em meio a um mercado confuso e tumultuado por opiniões divergentes e quase sempre emocionais.

Vamos aguardar mais alguns dias para emitir novos prognósticos. A hora é oportuna para pinçar boas barganhas.

Ate lá e bons investimentos, porque o Brasil deles precisa.  Bolsa não é local de especulador como muitos imaginam, assim como a política não é balcão de negócios, mas tanto na bolsa como na política há raposas, touros e ursos.

===========================

ÍNDICE BOVESPA – Atualização em 22/09/2014

ÍNDICE BOVESPA: Atualização em 22 09 2014
ÍNDICE BOVESPA: Atualização em 22 09 2014

Na analise anterior havia afirmado que o  índice estava desenvolvendo a onda w3, partindo da finalização da onda w2 em 44.904; também afirmei que não passaria de 63.486, apesar do otimismo reinante no mercado provocado pelo fenômeno eleitoral. De fato, a onda w3 se desenvolveu em 5 ondas menores, como indica o gráfico e finalizou na cota 62.304 a partir da qual iniciou um reajuste técnico no bojo da onda w4 cujos melhores suportes são: 55.657 e 51.551. Do primeiro já se aproximou bastante e se não reagir e varar este suporte poderá retomar a alta entre os dois suportes, ou bem próximo do segundo. Iniciará então a última onda w5 que completará a onda intermediaria (3) cujas cotas alvo eu calcularei assim que a onda w4 finalizar.  Boa sorte e ótimos investimentos.

===========================

I. BOVESPA – 27 DE Agosto de 2014

I. BOVESPA – 27 DE Agosto de 2014
I. BOVESPA – 27 DE Agosto de 2014

O Índice Bovespa está se recuperando bem, mas até onde irá?

Vamos aos fatos observados:  após o mínimo atingido no final da onda primária IV (29.435) o índice desenvolveu duas ondas intermediarias: (1) (73.103); (2) (44.904). Como destaquei nas analises anteriores,  a onda (1) subiu forte e constante, mas a onda (2) desceu demais e rompeu o padrão, varando os três suportes previstos, o que acendeu um sinal vermelho de que novos desastres poderão ocorrer. A partir desse ponto mínimo iniciou uma reação boa sinalizando o provável inicio da onda intermediaria (3). Esta está sendo formada pelas ondas menores w1(56.747); w2(44.904) e w3, ora em andamento, mas pelos meus cálculos dificilmente superará os 63.486 pts. Mesmo assim a onda w3 terá percorrido 18.582 pts, superando a onda w1 com apenas 12.640 pts. Este é um sinal positivo, pois abre a possibilidade da onda final w5 crescer bastante e superar a resistência 68.969 completando a onda intermediaria (3). Se superar essa resistência, a finalização deste ciclo de alta se dará bem acima do recorde 73.920, ocorrido em 30/05/2008. Então sim, ocorrerá o crash tão apregoado pela mídia e os gurus de plantão.

Bons investimentos.

WARNING: This newsletter does not mean an investment adviser, or advocate the purchase or sale of any security or investment.    Investments recommended in this newsletter should be made only under your own responsibility and after reviewing the prospectus or financial statements of the company.

==============================

Índice Bovespa – Atualização em 08-04-2014

Índice Bovespa – Atualização em 08-04-2014
Índice Bovespa – Atualização em 08-04-2014

A imagem do gráfico mostra o ponto histórico mais alto do índice: 73.920, final da onda primária III atingida em 30/05/2008, data do estouro da bolha financeira nos EUA, a qual deu origem a maior crise mundial desde 1929.

A queda que se seguiu, um verdadeiro ‘crash’, levou o índice para a cota 29.435, em 31/10/2008, cinco meses após o pico.

Seguiu-se nova alta expressiva que levou o índice à cota 73.106, concluindo a onda intermediaria (1), a primeira da onda primária V de longo curso. A partir dessa cota o índice vem declinando em vários tríplices, característicos do padrão dessa fase para dar formação à onda (2). A primeira retomada de alta me animou a considerar terminada a onda (2) em 44.107 e a denominei onda menor w1, mas a queda que se seguiu foi maior que a esperada e venceu todos os suportes rompendo o padrão da onda menor. Há, portanto, uma interrogação quanto ao final da onda w2.

A reação que se seguiu foi forte, fenomenal e igualmente inexplicável.  Foi puxada pelas estatais Petro, B. Brasil e Eletrobrás, todas com rendimentos decrescentes ou negativos num momento em que o rating do Brasil foi rebaixado pela S&P e, consequentemente, as taxas de empréstimos irão crescer.  De qualquer forma a Analise Técnica não mostra sinais consistentes e convincentes de que as ondas w1 e w2 estão dando inicio à onda intermediaria (3).

Quando olhamos o gráfico via satélite o vemos bem ampliado ao longo do tempo e podemos ter uma ideia clara das proporções. A reação não parece tão convincente para indicar a finalização da onda (2), o volume decresceu, as médias moveis estão orientadas para baixo e tudo indica que o índice vai cair e a Dilma subir.

Bons investimentos com cautela redobrada. Óleo na pista.

============================

(Obs.: Esta é uma análise técnica, fundamentada em cálculos matemáticos e teorias sociológicas e psicológicas aplicadas ao comportamento dos indivíduos e não significa recomendação de compra ou venda de ativos) Nota: Enquanto as cotações se mantiverem no intervalo suporte/resistência não haverá atualizações, exceto se novos fatos determinantes assim as exigirem.

 

Deixe você também seu comentário: