GUERRA COMERCIAL EUA & CHINA

O FATO:

No dia seis de julho, dia no qual a Seleção do Brasil voltou para casa, a guerra comercial imposta por Trump foi iniciada, para valer.

EM QUE CONSISTE:

Vários produtos importados da China, principalmente aço e alumínio, além de outros produtos dos setores de tecnologia, aeroespacial, TI, autopeças e instrumentos de medicina terão taxas aduaneiras de 25%.

O QUE ISSO REPRESENTA:

US$ 34 bilhões de produtos oriundos da China ficarão mais caros para os americanos. Na realidade é muito pouco e pouco irá afetar as exportações globais da China, incluindo as destinadas aos EUA.

Esse Valor é muito inferior às exportações totais da China para os EUA. Ademais os produtos americanos, como aço e alumínio, são mais caros e menos competitivos que os produzidos na China. Contudo, os americanos não irão investir em novas fábricas ou na modernização das existentes, para aumentar a produção interna e melhorar a competividade, porque não estão seguros de que essas medidas sejam permanentes.

O QUE PROVOCOU A GUERRA:

Os EUA têm um déficit fiscal considerável, maior que o PIB e necessita de recursos adicionais para a administração da dívida. Como aumentar impostos seria desastroso para o governo, Trump teve a ideia de criar barreiras alfandegárias que produzirão uma ‘arrecadação’ extra, disfarçada de ‘proteção’ ao emprego e à indústria local, o que é melhor digerida pela população desinformada, que constitui a maioria de seus eleitores.

Como Trump tem a característica de assustar seus oponentes, mas só assustar, escreveu em seus twitters que os EUA poderiam aumentar tarifas para US$ 500 bilhões de produtos chineses ou o volume total das importações daquele país.

CONSEQUÊNCIAS:

Se fizer isso, para valer, a inflação explode nos EUA, a China entra em recessão, a Europa sofrerá um baque terrível com o aumento das taxas de juros, o mundo globalizado se esfarela e no Brasil, os políticos passarão a ser roubados. Isso não vai acontecer como todas as demais promessas de campanha do presidente, que não saíram do twitter.

RETALIAÇÃO:

A China prometeu retaliar com produtos importados dos EUA em igual valor. São especialmente produtos agrícolas, proteínas, petróleo, autopeças, que irão afetar negativamente várias áreas rurais nos EUA, justamente o curral eleitoral do presidente. Ademais, a China irá acelerar seu programa, já em operação, de um sistema financeiro paralelo que tem por objetivo fortalecer o Yuan como moeda reserva do comercio internacional enfraquecendo o reinado do King Dollar, o que produzirá maior agravamento nas condições fiscais dos EUA.

Não é nada bom ter os chineses como inimigos.

Deixe você também seu comentário: