mar 102015
 
DOW JONES – ATUALIZAÇÃO EM 10 03 2015

DOW JONES – ATUALIZAÇÃO EM 10 03 2015

O índice está se aproximando do final da onda intermediaria (3). Esta foi desenvolvida em 5 ondas menores de grau inferior, respeitando os padrões, mesmo quando se desmembrou em outras cinco ondas minutos. A onda (3) atingiu o pico máximo em 18.288,63 percorrendo 8.674,31 pontos, quase o dobro da onda (1).

A queda recente representa uma perda de 3,23% em relação à cota máxima, mas a quinta onda minuto que finalizará a onda (3) perdeu dois suportes e se aproxima com celeridade do terceiro, em 17.515,  o que acende a luz vermelha. Se não varar esse suporte, poderá engatar uma recuperação, mas todos os indicadores mostram que o tanque está quase vazio e dificilmente o índice superará os 19.100 pontos.

Concluindo, se o final da onda (3) for esta cota máxima já atingida em 18.288,63 pontos,  a queda que se seguirá levará o índice para as cotas alvo: 16.241; 14.975 e 12.927,  no curso prolongado da onda (4), representando perdas de 11,2%; 18,1% e 29,3%, respectivamente.

Depois de quase 6 anos de alta continua o motor necessita reparos. Hora de ‘ficar short’ e ir para a praia.

===================

grafico1

Dow Jones: Atualização em 23 01 2015 (Diário)

 

A imagem acima representa o detalhe do que está acontecendo agora. A onda intermediaria (3) está se aproximando de sua finalização. Foram completadas as ondas menores w1, w2, w3 e w4 que estão dando formação à onda (3) e as ondas minutos que estão sublinhadas já estão completas as 4 primeiras e estamos finalizando na onda w 5  a qual completará a onda w5 que, por sua vez finalizará a onda (3). Parece complicado e é mesmo, mas as ondas vão se remontando umas sobre as outras, cada qual conservando o seu padrão. Este é o segredo da analise técnica, reconhecer os padrões.

A pergunta que se coloca agora é a seguinte: Até onde a onda (3) poderá ir?

Segundo meus cálculos estatísticos, há boas probabilidades de que alcance as cotas alvo 19.400 ou 19.525 e menos chances de chegar a 20.641 que também é provável.

O gráfico seguinte apresenta o índice numa frequência mensal, uma visão mais distante que nos dá outra perspectiva.

grafico2

Observem que a onda primária III finalizou em 12/10/2007 , inicio da crise financeira nos EUA.

A queda que se prolongou até 6/03/2009 foi muito rápida, mas representou uma desvalorização de 54,4 % perfeitamente dentro do padrão aceitável para este tipo de onda. Portanto não foi um crash, mas um ajuste previsível e que foi detonado pela crise que já vinha de antes e que vários analistas vinham advertindo do perigo. A partir desse ponto mínimo, a bolsa americana subiu, sem interrupção significativa, cujas quedas técnicas jamais ultrapassaram os 15% nos últimos 5 anos, comprovando o que venho há tempos afirmando em vários artigos publicados no meu blog que os EUA vivem um boom econômico semelhante ao Golden Age.

Contudo há vários oportunistas que vivem circulando vídeos pela internet se achando a própria bola de cristal e apregoando o apocalipse da bolsa americana.  Em contrapartida, para salvaguardar o seu patrimônio, oferecem seus serviços cuja subscrição ascende à 1.500,00, 3.000,00 e até 7.000,00 dólares prometendo que você ficará rico com a assessoria deles, mesmo numa derrocada do sistema financeiro americano! É para rir!

Na quinta feira passada, saiu a manchete de primeira página do ‘EUA Hoje’:  D.J. Plunge!  Na realidade o índice caiu apenas 2,2%.  Isso é mergulho, crash, bolha, quebradeira?  Me poupe!

Agora, vou advertir:  após completada a onda primaria (3), que já é iminente (entre dois ou três meses) o D. Jones vai afundar algo em torno de 24%, 38% ou pouco mais. Recomendo aos investidores que possuem ADRs estreitar os Stop-Loss para proteger o capital e ganhos ou vender tudo e comprar barato depois ou, para os mais experientes, se posicionarem short. Voltarei em breve, até lá.

Deixe um comentário seu:

%d blogueiros gostam disto: