set 242017
 

Vim passar uns dias em Guarujá para meu retiro periódico e solitário de uma semana. Hoje acordei bem cedo, antes das seis horas, fiz meus alongamentos habituais e contemplei a praia de Pitangueiras vazia de gente e guarda sóis. Fiz, em seguida, uma meditação profunda e prolongada e só retornei às oito, quando a praia, contemplada da minha varanda, já apresentava muito movimento, o sol ia alto e quente e eu estava cheio de vontade de escrever e partilhar minhas avaliações com os poucos, mas felizmente diferenciados e fieis leitoras e leitores.

Enquanto Trump se distrai em tuitar suas ameaças ao jovem Líder Atômico e buscar, sem sucesso, o apoio da China para conter o avanço do programa nuclear na Coreia do Norte, a China está ativamente estruturando e finalizando o secreto Plano Estratégico que publiquei, em três capítulos, em 23 de setembro de 2015, o qual faz hoje seu segundo aniversário.

Confesso que o li, novamente, e fiquei surpreendido ao constatar como o desenvolvimento das etapas do projeto foram rigorosamente cumpridas, como as descrevi.

O plano prevê a criação de um Sistema Financeiro Internacional fora da órbita do King Dólar e na nova ordem mundial que terá início em janeiro de 2018.

O objetivo deste artigo é mostrar os verdadeiros propósitos da China e de seus aliados no projeto e as consequências para o mundo das finanças. Assim, cada leitor ao tomar conhecimento do que está na iminência de ocorrer, não fique esperando para ver se é verdade, de fato, mas tome providências efetivas para proteger seu patrimônio e a segurança de sua família.

Estes são os preparativos que já foram desenvolvidos e implantados na surdina:

1 – Acúmulo de ouro em grandes proporções, não apenas produzidos na própria China, que é a maior produtora mundial do metal, mas importados de vários países, segundo os procedimentos que descrevi em vários ensaios com o objetivo de evitar o aumento dos preços. Esse procedimento foi desenvolvido ao longo da última década, embora não haja registro de exportação pela China de nenhuma grama de ouro, sequer.

2 – Transmitir confiança no Yuan, a moeda chinesa, vinculando-a ao lastro em ouro; para isso foi criado no Shanghai Gold Exchange o mercado futuro do Yuan denominado em ouro. Isso significa que qualquer país que venda produtos para a China, o qual irá pelas novas regras receber o pagamento em reservas constituídas em Yuan, tenha a tranquilidade de transformar sua reserva em ouro no mercado de Shanghai e transformá-lo, posteriormente, em qualquer outra moeda integrante da SDR, a cesta de moedas reservas do FMI. Ademais, a vinculação do Yuan ao ouro trará confiança e estabilidade para a moeda chinesa. A confiança na moeda é essencial para o sucesso do projeto e como a China já é a primeira em comercio internacional e superará os EUA como a maior economia mundial até 2020, não tenho dúvidas de que terá um retumbante sucesso no seu projeto de tornar o Yuan a moeda reserva por excelência no decorrer dos próximos anos.

3 – A China lançou neste mês de setembro o contrato futuro para o crude oil, precificado em Yuan convertível em ouro.

Estas iniciativas que você, minha cara leitora e fiel leitor, não tomou conhecimento pela mídia e se ouviu falar alguma coisa do aqui relatado foi fora de contexto, em mensagens de 30 segundos misturadas com as notícias preferidas de corrupção e bandidagem. Para se informar de quais acontecimentos realmente importantes e relevantes estão ocorrendo no mundo e que poderão implicar diretamente em nossas vidas é necessário tempo e disposição para pesquisar, coletar informações e estabelecer relações entre elas, ou seja, um trabalho de inteligência que venho há anos partilhando com o público em geral, através das redes sociais, sem nenhum interesse pecuniário ou de qualquer vantagem. A situação de desemprego do povo brasileiro pagando pelos desmandos do governo passado e presente foram previstas durante a época em que eu procurava saber em qual país o Min. Mantega vivia, para que eu pudesse me mudar para lá! Os que se prepararam se deram bem e puderam até ganhar muito.

Estas alterações implementadas pela China terão o poder, mais do que possam imaginar, de alterar profundamente a atual ordem mundial estabelecida para o comércio e as finanças, que até agora gravitaram em torno do King Dollar. Como tive a oportunidade de explicar detalhadamente em ensaios anteriores, disponíveis em meu site www.dagobertopacheco.com.br esta particular situação conferiu aos EUA a cômoda situação de ser um país diferente de todos os demais, pois é o único país que toma recursos de outros e importa produtos sempre pagando em sua própria moeda, sem se preocupar com o câmbio. E se o orçamento está estourado, com déficits crescentes, sem problema, basta encomendar notas novas na impressora do Tesouro e pagar suas dívidas com dinheiro de vento. É assim que funciona, mas essa situação está com os dias contados e como consequência a vida dos norte-americanos vai mudar radicalmente. Por essa razão, fez sentido na campanha presidencial o mote: “The American First” e, afinado com o sentimento do povo americano previ, contra todas as estatísticas, a vitória de Donald Trump.

A China está resgatando os tempos anteriores ao governo Nixon, quando o dólar era bancado por ouro estocado no Fort Knox. Isso significava que qualquer pessoa, fosse cidadão nacional ou estrangeiro poderia ir ao mercado de câmbio e trocar os seus dólares por ouro a uma taxa determinada de conversão. Por isso, o dólar era uma moeda confiável e estável por estar vinculada ao ouro, um ativo que tem valor intrínseco.

Outro objetivo que a China e os demais países asiáticos pretendem atingir é a redução do poder dos EUA de imporem sanções comerciais e financeiras aos países que deixam de cumprir as regras por eles estabelecidas junto aos órgãos internacionais.

O SISTEMA JÁ ESTÁ FUNCIONANDO.

Rússia, Irã, Venezuela, vários países integrantes da OPEP e do BRICS, com a exceção, por enquanto, da Arábia Saudita, já aderiram ao novo sistema chinês. Rússia e Irã já vêm operando suas exportações de óleo para a China, produzindo reservas em Yuan como forma de contornar as sanções impostas ao comercio em dólar. A maioria das importações de crude pela China já estão sendo contratadas em Yuan-Ouro em contratos de longo prazo. O volume médio das importações em 2016 foi de 7,6 milhões de barris-dia. No primeiro semestre de 2017 a China importou 212,4 milhões de toneladas de crude, segundo a Wood Mackenzie, sendo os maiores exportadores Rússia, Angola, Saudi Arábia, Iraq, Oman, Irã, Brasil, Venezuela, Kuwait e U. Emirates, nesta ordem.

A China está trabalhando para reduzir o domínio do US dólar no mercado de commodities. A nossa Vale já aderiu ao programa e está exportando minério de ferro em Yuan-ouro.

As operações Yuan-ouro negociadas no mercado futuro do Shanghai Gold Exchange, já foi lançado em Hong Kong, em julho, e será estendida para Budapest, capital e importante centro financeiro da Hungria, ainda no decorrer deste ano.

Essa ideia de oferecer ouro como meio de pagamento não é uma novidade, já foi experimentada no passado com sucesso. No momento atual ganha significado por oferecer ao produtor de petróleo e outras commodities, que prefere negociar seu produto em dólares onde já possui reserva, de conservar esse procedimento negociando ouro por dólares.

É bom que se diga que em todo o processo de mudança há uma resistência natural, mas neste caso há custos elevados. O produtor terá uma natural resistência em aceitar o Yuan porque essa moeda ainda não tem a liquidez do dólar nas operações de comércio exterior. Além disso, a China é um país comunista e há uma tendência natural em preferir a negociação com uma país capitalista e democrático.

Essa questão pode ser posta pela análise de um caso prático que estudei profundamente e o apresentei em outros ensaios denominados ‘A Guerra do Petróleo’. O processo de substituição do ouro, que bancava o dólar, pelo petróleo, que deu origem ao petrodólar, foi uma negociação entre USA e Arábia Saudita pelo governo Richard Nixon. Os sauditas possuem um mar de petróleo e estavam, como estão ainda, cercados de inimigos. A proposta de Nixon foi de que a Arábia Saudita exportasse todo o seu petróleo aos EUA na moeda dólar e, em contrapartida, os americanos forneceriam armamentos e proteção bélica ao exportador que seriam também pagos em dólares. Algo bem parecido com o que está propondo a China, não lhe parece?

A situação, agora, é completamente diferente. Os EUA através da tecnologia “ fracking” desenvolvida nos últimos cinco anos e que lhes permitiram extrair petróleo a custo mais barato das rochas de xisto, se transformaram, no conjunto, de maior importador em maior concorrente da Arábia Saudita no mercado de petróleo. Essa foi a razão pela qual o barril de petróleo caiu de $120 para $40 e permanece baixo oscilando entre $50 e $55. Em consequência, as exportações dos sauditas caíram enormemente, mas ainda assim e em razão da insegurança geopolítica, estão resistindo em abandonar o dólar pelo Yuan. Os chineses continuam importando petróleo saudita e o pagam em dólares, como forma de ir diminuindo suas reservas nessa moeda, que imagino que a consideram arriscada.

Mesmo assim, a Arábia vem perdendo “Market Share” em suas exportações para a China, cuja participação caiu de 25% para 16%, atualmente, enquanto a Rússia aumentou 11%, Angola 22% e outros países da OPEP, em conjunto, 42%.

Com essa perda de mercado, tanto para os EUA como para a China, é uma questão de tempo para a Arábia Saudita aderir ao novo sistema da China onde poderá intercambiar suas reservas em Yuan por ouro. Ou será que vai preferir os Treasuries que podem ser impressos sem critério e bancados pelo vento, ou talvez tufões? Vou esperar para ver.

Finalmente, para encerrar, li que a Saudi Aramco, a companhia nacional de petróleo da Arábia Saudita, está preparando um lançamento de ações, o IPO na sigla em inglês, que se espera seja a maior da história. Como a China está desesperada para baixar suas reservas nos EUA, acredito que não perderá a oportunidade de entrar na disputa associada com Rússia, Irã e outros países asiáticos e dessa forma, adquirindo expressiva participação na produção de petróleo consiga o seu intento de deslocar o dólar pelo Yuan nas transações dos sauditas.

Agora você está mais informado que a maioria das pessoas e poderá intuir que o dólar continuará caindo, pela sua perda de importância e o ouro, consequentemente irá subindo assim como as ações de algumas mineradoras mais bem estruturadas e com reservas dimensionadas. Por outro lado, o mercado de ações americano deverá sofrer uma queda razoável ou entrar num prolongado período de baixa (bear market).

Quem viver, verá e continue de olho aberto.

* * * * *

ago 042017
 

ÍNDICE NASDAQ

Está impossível efetuar uma análise substantiva. A razão é a seguinte: o índice tem em sua composição um alto percentual de empresas verdadeiramente campeãs: Apple, Microsoft, Amazon, Alphabet (Google) e Face Book. Dado o elevado valor atingido por essas empresas, que se tornaram alvo de demandas pelo governo por prejudicar a concorrência em função de suas altas tecnologias e modelos exitosos de negócios, suas cotações têm oscilado com alta volatilidade. Parece que os EUA já não são o país das oportunidades.

O gráfico ao lado indica claramente a repercussão no índice, desse fato.

Contudo, efetuando uma projeção das minhas análises anteriores, o índice teria por meta, ao completar a atual onda w1, componente da onda intermediaria (5), alcançar as cotações na faixa 5.803 – 6.263.

Na realidade, o máximo atingido foi 6.422,75, em 26/julho, excedendo minha meta em 2,6%.

ÍNDICE DOW JONES:

Está para completar a onda w3 componente da onda intermediara (1) na cota máxima 23.090. Após, sofrerá queda com suporte na faixa 21.045 – 19.838, caso alcance a cota máxima prevista, o que é bem provável.

ÍNDICE S&P 500:

Está completando a onda w5 de (1), cujos alvos são: 2.514 / 2.870 / 2.949. A cotação de hoje é 2.476. Por se tratar de primeira onda, os suportes da correção que virá serão calculados a partir da cota máxima.

ÍNDICE BOVESPA:

O índice está cursando a onda w1 da onda intermediaria (5) que terá força para alcançar as resistências cíclicas em 72.973; 77.539; 78.245. A partir de qualquer delas sofrerá um ajuste técnico mais expressivo. Cotação de hoje: 66.897.

 

Espero que com estas indicações possam efetuar bons investimentos.

Até breve!

jul 122017
 

Tenho lido muitos artigos na mídia americana afirmando que a economia dos EUA vai bem, está aquecida e muito próxima do pleno emprego. Ora, isso contraria tudo o que eu disse, após acurada análise, na minha série de mesmo nome publicada em 2016.

Se é verdade o que diz o governo, as consequências serão inevitáveis: pleno emprego conduz a aumento de salários, que produz aumento da inflação, que exige medidas monetárias como o aumento da taxa de juros que, por sua vez, faz declinar o preço das ações e títulos e o declínio do valor da própria moeda.

Isso por certo não vai acontecer, porque não é o que os dados dizem, como mostrarei em seguida.

O custo total da produção tem a participação de dois terços dos custos trabalhistas e é claro que, se há mesmo pleno emprego, o inevitável aumento de salários acelerará a inflação de preços, em geral. Porém isso está longe de acontecer porque os cálculos estatísticos, que avaliam a ocupação da mão de obra, é uma ficção, ao desprezar a taxa de participação da população em condições de trabalhar.

Por exemplo, apenas 55% dos americanos adultos, entre 18 e 64 anos, possuem um emprego em tempo integral. Esse dado nos leva a outro: cerca de 95 milhões de adultos, em condições de trabalho, estão fora do mercado. Como é isso possível? Eles não necessitam comer?

O demógrafo Nicholas Eberstadt observou, em estudo recente, que a taxa de participação na força de trabalho de adultos entre 25 e 54 anos é atualmente menor que a apresentada no fim da Grande Depressão.

Como fatos tão díspares podem ser usados ou desprezados para ajudar a compreender os fenômenos mercadológicos atuais?

Na minha série de mesmo nome deste artigo mostrei várias estatísticas e gráficos produzidos pelo próprio governo e órgãos privados, que mostram como no governo Obama os programas de pobreza foram inflados além da conta. De acordo com o Census Bureau, quase três quintos dos funcionários federais recebem benefícios por incapacidade. Os gastos com alimentação, o Food Card, uma espécie mais moderna de nossa bolsa-família, acrescida de outras benesses, como seguro-desemprego e moradia, apesar de elevadíssimos, ainda não superam o que o Estado paga aos trabalhadores incapacitados.

Não me interpretem mal. Não vejo com maus olhos qualquer homem ou mulher com real deficiência e incapacidade para o trabalho que receba auxilio federal. Eles são merecedores de nosso respeito e consideração. Porém, milhares de trabalhadores com dores nas costas, depressão, com a falta de um dedo mínimo por acidente, males comuns entre trabalhadores produtivos a tempo integral, passam a ser usufrutuários do auxílio federal, como incapacitados, à custa dos contribuintes pagantes.

Alguns arranjos no atual governo Trump poderão atrair muitos desses indivíduos de volta ao mercado de trabalho.

O primeiro é o programa de infraestrutura federal de um trilhão de dólares, talvez a única política do atual governo com amplo apoio dos democratas e republicanos.

Tal programa não seria possível numa situação de pleno emprego, a menos que os EUA atraís

sem a maioria dos imigrantes, atualmente em busca de uma oportunidade na Europa. Contudo, como sabem, a política de Trump é fechar as fronteiras para a imigração, pois ele sabe que de desempregados o país está farto e, por isso, ele foi eleito, como aliás previ contra todas as previsões.

 

O segundo é a nova legislação que exige a vinculação ao trabalho para os programas sociais federais. A exigência de trabalho foi eliminada por Obama, mas os republicanos querem reverter isso e o Pres. Trump certamente promulgará em forma de lei.

Isso poderá reduzir o déficit orçamentário e aumentar a taxa de participação da população ativa no trabalho.

O país não tem escassez de trabalhadores; tem um excesso de Estado-Previdência.

Concluindo, ao contrário do que a mídia afirma insistentemente, os EUA não estão em pleno emprego, continuam em depressão, o Federal Reserve que prometeu mais elevações nas taxas de juros ao longo deste ano, muito provavelmente não fará nenhuma, os salários não irão subir, nem a inflação, o comércio continuará fraco e, se alguma perturbação ocorrer nos mercados financeiros, não será devido aos fatores aqui comentados, mas possivelmente a um provável conflito com a Coreia do Norte.

Obs. Aos leitores interessados em informações mais completas sobre este assunto, para auxiliá-los na interpretação dos acontecimentos mundiais em grande aceleração, os convido a ler os quatro relatórios de “A Economia Americana”, uma leitura agradável, isenta de economês para ser compreendida mesmo por não economistas.

* * *

maio 102017
 

Hopi Hari, o maior parque temático e de diversões do Brasil vai fechar. Motivo: excesso de dívidas que provocou a insolvência do grupo. Essa notícia vocês já sabem, leram nos jornais e viram no noticiário de TV, mas não tem nenhuma importância, pois milhares de outras empresas comerciais, industriais e de serviços fecharam pelo mesmo motivo: excesso de dívidas que produzem queda de receita e de crédito e conduzem à bancarrota.

Se é verdade para empresas mal geridas também é verdade para países mal administrados: Grécia, Porto Rico, Venezuela falidos e o Brasil a caminho do abismo, como afirmou Delfim Neto, se os políticos não tomarem vergonha e aprovarem as reformas que estão sendo propostas, sem desfigurá-las.

A nossa crise desempregou 14 milhões de brasileiros, mas o número de desempregados e miseráveis é visivelmente muito maior.

O que pretendo revelar aqui trata-se de acontecimentos em âmbito global, muito importantes e tenho certeza de que quase ninguém está sabendo o que está para ocorrer e que, em consequência, comprometerá o estilo de vida e as relações funcionais entre as nações, tal como a conhecemos.

Dia 14 e 15 de maio, marque estas datas em sua agenda, será realizada uma Cimeira de grande importância estratégica convocada pela China. Foram convidados 28 países ao evento, orquestrado para promover a visão do Presidente chinês Xi Jinping sobre a expansão das ligações entre Ásia, África e Europa apoiada por bilhões de dólares de investimentos em infraestrutura.

Esses investimentos fazem parte do colossal projeto One Road, que liga China à Rússia, Europa, Ocidente e vários países asiáticos por autoestradas e ferrovias e o One Belt que é um cinturão naval ligando África, Oriente Médio e vários outros países, circundando as ilhas artificiais construídas no Mar Meridional.

O foco da reunião é mostrar como será desenvolvida a conectividade entre Europa, Ásia e África cujo projeto também está aberto ao resto do mundo.

O People’s Daily deste mês, em primeira página, publicou que o projeto é a “solução da China” para os desafios econômicos do mundo.

Alguns dos mais destacados aliados e parceiros da China atenderão à Cimeira, incluindo Vladimir Putin, Presidente da Rússia, o Primeiro Ministro Nawaz Sharif do Paquistão, o Primeiro Ministro Hun Sen do Camboja e Presidente Nazarbayev do Cazaquistão. O Primeiro Ministro da Itália, Paolo Gentiloni, representará o G7. Líderes do Reino Unido, Alemanha, França e Japão estarão presentes, também.

Apenas um líder de uma grande nação não foi convidado, ele mesmo, Mr. Donald Trump.

Isso me deu motivo para uma análise de inteligência.

Se a Cimeira é para destacar a visão do presidente da China sobre o que ele acha da política de preservação do meio ambiente e comercio global, isso já foi falado por ele na última Cimeira do G20, em oposição às posições adotadas por Trump, quanto a preservação e a globalização, centradas em sua visão do projeto America First. Então, porque estaria esta reunião cercada de segredos?

Segundo meus prognósticos o motivo principal deste Fórum é anunciar ao mundo e obter a concordância das principais nações ao novo sistema financeiro global que a China vem secretamente desenvolvendo e que, apesar de haver chamado a atenção em meus ensaios divulgados nas redes sociais há mais de um ano, quase ninguém deu crédito ou dedicou melhor atenção.

Este novo sistema estará baseado no Yuan como a principal moeda, lastreada em ouro e o Swift será substituído por outro processo de comunicação bancário, já em uso experimental e fora do controle dos EUA. Desta forma, o poder de impor barreiras e sanções à outras nações, pelos EUA, será minimizado e o reinado do King Dollar será deixado para trás.

A Coreia do Sul, cujo presidente de perfil liberal recém-eleito, Moon Jae-in, alinhado com a China, já se posicionou contra a instalação, em seu território, do escudo antimísseis pelos EUA e certamente será convidado para a Cimeira no próximo fim-de semana.

O que resta à Trump fazer?

Retroceder, seria uma demonstração de fraqueza que prejudicará, ainda mais, a atual imagem bastante desgastada, inclusive no exterior. Seguir adiante, lançando uma bomba-mãe na Coreia do Norte, no dia das mães, seria entrar num conflito mundial e os EUA estão como o Hopi Hari, virtualmente falidos pelas mesmas razões: endividamento disparado, economia em depressão, má gestão dos recursos públicos e incapacidade política de reverter a situação.

Quem não se posicionou do lado certo, talvez não terá mais tempo.

$ $ $ $ $

jan 252017
 

Há muitos e respeitáveis analistas do mercado financeiro apostando numa maxidesvalorização do Yuan, a moeda chinesa, o que traria, caso efetivada, tumultos nos mercados mundiais como a queda abrupta nas bolsas de valores em todo o mundo, Brasil incluído. Falam até em queda de 20 a 30% o que produziria uma perda de riqueza excepcional.

Darei abaixo o decálogo de motivos que são arrolados para essa previsão e, em seguida, minhas ideias à respeito, que indicam porque não partilho da mesma opinião.

1-Trump declarou várias vezes, inclusive no twitter, que a China é manipuladora de sua moeda.

2-Surpreendentemente, também declarou que o dólar está muito forte e ele quer um dólar mais fraco. Consequentemente, Trump espera que a China deixe sua moeda valorizar mais.

3-Trump colocou em risco a política chinesa de “Uma Só China”. Essa política significa que a China quer que os EUA continuem a reconhecer Taiwan, a província rebelde, como parte do território chinês e não como outro país independente.

4-Trump também quer que a China ofereça seu apoio aos EUA em relação à Coreia do Norte que constantemente ameaça bombardear Nova York ou Washington com bomba nuclear.

5-Trump quer reverter a geopolítica expansionista da China no mar meridional, que disputa como seu território e onde vem construindo ilhas artificiais como descrevi no relatório “Eurásia & TPP”.

6-Trump vem desenvolvendo, desde sua campanha, uma aproximação com o presidente russo, Vladimir Putin, na esperança de ampliar apoio ao seu governo na região da Eurásia.

7-Com uma penada, Trump desativou a participação dos EUA no projeto TPP Trans-Pacific Partnership proposto por Obama, no que sou totalmente favorável e cujas razões tive a oportunidade de explicar em meu relatório Eurásia & TPP.

8-Trump anunciou uma política protecionista, com mercados fechados, ameaçando empresas multinacionais americanas que estão produzindo fora do país com taxas aduaneiras e que implantaria taxas de 45% para os produtos importados da China.

9-Em Davos, neste mês, o presidente chinês Xi Jinping surpreendeu o mundo com um discurso positivo defendendo a economia liberal, mercados abertos, respeito às resoluções da OMC, adesão aos acordos de proteção ambiental, exatamente o oposto do que os EUA estão fazendo e propondo, neste momento.

Tudo que aprendi de estratégia com os chineses se resume em: “Conheça as fortalezas e fraquezas de seu inimigo e conheça as suas próprias. Mostre que é forte onde se reconhece fraco e fraco onde sabe que é forte. Então vencerá 100 batalhas”.

10-Trump não é político, não tem experiência política, mas é um homem de negócios exitoso e sabe negociar. Por isso, vários analistas interpretam que essas medidas que vêm anunciando são apenas cartas de negociação para serem atiradas à mesa em troca de reciprocidades.

Colocadas as principais iniciativas do novo governo americano, tentarei explicar de forma simples e didática as minhas ideias sobre cada item desse decálogo.

1-A China não está manipulando sua moeda. As desvalorizações alardeadas pelos americanos não passaram dos 10% e isso porque o dólar se valorizou demasiado, como é agora reconhecido por Trump, prejudicando as exportações da China para outros mercados, cuja moeda, o Yuan, estava atrelada ao dólar.

2-Na realidade a China não pode valorizar nem desvalorizar sua moeda em função do Acordo de Shangai estabelecido pelo FMI como condição para o ingresso do Yuan na cesta de moedas reserva, a SDR –Special Drawing Rights. Expliquei detalhadamente a abrangência desse Acordo no relatório “Acordo Shanghai(vide foto da cidade). Ademais, o dólar vem se desvalorizando há meses e poderá acelerar mais com as imprudentes afirmações de Trump o que, por si, já favorecerá a China cujo Yuan está atrelado ao dólar. Portanto não há variação cambial entre as duas moedas embora ocorra em relação a maioria de outras moedas, ouro incluso, que se valorizam.

3-Essa questão é inegociável, portanto Trump não obterá com suas habilidades de homem de negócios nenhuma reciprocidade da China nesta questão. Seria o mesmo que exigir que os EUA renunciassem a sua soberania em relação a região da Nova Inglaterra.

4-A China também não pode interferir nessa questão por que qualquer atividade de força provocaria a emigração de milhões de pessoas para a China, através da fronteira no Norte, o que desestabilizaria a população da China com pessoas em estado de extrema pobreza que se alimentam de cascas de árvores.

5-Essa questão está fora de negociação e se forçada poderá desencadear a Terceira Guerra Mundial, tal como previ em meu relatório “Domínio do Mar”.

6-O presidente Russo não é nada confiável, tem interesse na região da Ucrânia onde já desenvolveu uma invasão e foi penalizado pelo Pres. Obama com sanções. Trump quer reverter essas sanções e isso abrirá a oportunidade para novas invasões a outros países que pertenceram à União Soviética e que integram, agora, a União Europeia.

7-Esse projeto TPP do qual os EUA se desligaram agora, tinha como objetivo ampliar a participação dos EUA na região do Pacífico, fazendo frente a expansão da China nessa região. No relatório “Eurásia & TPP”, explico as razões porque também não partilho dessa ideia e previ que os EUA não seguiriam com o projeto, o que se confirmou, agora.

8-Se Trump der seguimento ao seu propósito de taxar as importações da China, esta irá recorrer à OMC e se não tiver apoio, aí sim poderá, em retaliação, efetuar uma maxidesvalorização de sua moeda para estabilizar sua competitividade às novas regras. Certamente, penso eu, não será para agora. A razão é simples: a China vem desenvolvendo um plano secreto que foi objeto de alguns relatórios que publiquei aqui no meu site. Juntamente com a Rússia, pretende abolir o dólar como moeda de reserva predominante construindo um novo sistema financeiro paralelo tendo como moeda reserva para as transações comerciais e financeiras o Yuan, agora a terceira moeda na cesta de moedas reservas do FMI. Com a política desastrosa que se avizinha no governo Trump, se a China tinha um caminho estreito e pedregoso para vencer, agora contará com uma avenida asfaltada e iluminada para desenvolver seu plano. Irá se aproximar da Grã-Bretanha que perdeu com o Brexit o mercado europeu, reforçar ainda mais os acordos com a América Latina, Oriente Médio, África e países asiáticos a serem abandonados pelo novo governo americano. Com essas perspectivas tão positivas e ainda defendendo uma política econômica liberal, por que iria a China provocar a perda de confiança do mundo em sua moeda, implementando uma maxidesvalorização, agora? Racionalmente refletindo, não acredito que isso ocorrerá. (Veja mais em “Trump, seus projetos e a Nova Moeda Mundial”)

Todos os relatórios citados neste artigo podem ser encontrados aqui no meu site.

* * *

Conheça meu livro ANTOLOGIA PESSOAL – na Amazon

dez 212016
 

Este será o último relatório que publicarei neste ano. A importância dele é avaliar até que ponto o novo presidente Donald Trump seguirá adiante com suas promessas eleitorais. Nesta análise estarei atualizando a situação econômica real dos EUA e sua inter-relação com um mundo em rápida mutação e novos paradigmas.

TRUMP E SEUS PROJETOS

Os analistas de mercado comparam o projeto de Trump ao de Reagan, que em sua ocasião produziu crescimento econômico, bolsas em alta e ofertas generosas de emprego. Como as propostas são semelhantes, o mercado reagiu com euforia a partir de novembro, após a inesperada vitória de Trump, antecipada meses antes em minhas colunas. Dow Jones, Nasdaq e S&P 500 subiram com grande euforia antecipando o “Make America Great Again”. Será isso possível?

As condições na época de Reagan eram completamente diferentes das atuais. O endividamento do país era de 55% do PIB, os EE. UU tinham a hegemonia do comércio mundial e o dólar reinava sozinho permitindo todo e qualquer financiamento com a impressora de papel. A situação agora é outra, como detalharei mais adiante.

A alta atual nas bolsas faz sentido. As ações do setor de defesa estão subindo com a promessa de maiores dotações no orçamento. As ações de bancos sobem com a perspectiva de aumento das taxas de juros e menor regulação, o que favorece o setor bancário. Ações de construção, aço, mineração, materiais e transportes serão beneficiadas pelo programa de um trilhão para infraestrutura. Por enquanto trata-se de promessas de políticos e emoção de investidores. Como sabem, a bolsa sobe no boato e desce no fato.

O impacto na economia com o plano de Steve Bannon não terá maior importância além de acrescentar mais um trilhão em débitos.

A proposta de cortar taxas, reduzir a arrecadação e expandir gastos elevará a inflação. Consequentemente as taxas de juros serão elevadas e terão forte impacto sobre os custos dos empréstimos. O déficit e os débitos crescerão mais rapidamente que o PIB produzindo o efeito de freio na economia, com fechamento de empresas, perdas de empregos, redução do comercio internacional e mais dívidas.

Naturalmente, isso não é o que a equipe de Trump deseja, mas é o que irá enfrentar quando estiverem à frente da realidade, sobre a qual falarei logo mais.

O ciclo de aperto financeiro do FED, com aumentos mais frequentes das taxas de juros, fortalecerá o dólar, o que amenizará o crescimento da inflação, e derrubará o mercado de dívidas, os Bonds e Letras do Tesouro. Dólar forte, significa desvalorização das demais moedas, inclusive da moeda ouro, quando cotadas em dólar. Os produtos importados pelos americanos ficam mais baratos, o que ajuda a segurar a inflação, mas os produtos americanos ficam mais caros e difíceis de exportar por falta de competitividade. Essa é a fórmula correta da recessão. Baixo consumo, empresas fechando, desemprego em alta.

EUA DA ERA OBAMA

Já mencionei em outro relatório que os EUA levaram dois séculos para produzir uma dívida de $8 trilhões e o governo Obama, em apenas dois de seus mandatos, mais que duplicou esse débito. Essa situação faz toda a diferença em relação à época de Reagan.

O débito nacional americano está em $19,9 trilhões e enquanto estou escrevendo este relatório, já deve seguramente ter atingido os $20,0 trilhões. Como o PIB do país está estimado em $17,7 trilhões para o exercício de 2016, a relação Dívida/PIB = 1,13. Se dividirmos esse débito pelo número dos contribuintes que pagam impostos caberá a cada um $167 mil. Dificilmente cada um desses contribuintes terá recursos para pagar tal rombo nas contas.

Você ficou impressionado?

Isso é só a ponta do iceberg.

Os compromissos para social security, medicare, medicard criados no programa Obama Care são um verdadeiro desastre. Atualmente excedem $104,2 trilhões, o que corresponde a $872 mil por contribuinte.

Somando $872 mil + $167 mil = $1,04 milhões/contribuinte.

Os números não mentem jamais. Os americanos estão à procura de um Super-Herói que os salve e foi esse fato que considerei para prever a vitória de Trump, contra todas as correntes.

The Congressional Budget Office estima que o Social Security continue crescendo mais de $8 trilhões por ano. Você observou bem o número? São os mesmos $8 trilhões que os EUA levaram dois séculos para atingir em débitos até a eleição de Obama. Agora esse número não resiste a gastança apenas do Social Security em um ano.

Quando o Trump tomar sentido desses números talvez faça algo inesperado.

O Obama Care está caminhando para a insolvência. Geopoliticamente o mundo está uma bagunça. Excesso de dívidas do Governo e do setor privado inibem a produção e o crescimento econômico. Pode-se observar que mesmo as companhias rentáveis praticam programas de recompra de ações e aumento dos dividendos distribuídos ou praticam Fusões e Aquisições (M&A). Todas essas atividades são improdutivas, nenhuma conduz a expansão de áreas produtivas, aumento de oferta, empregos e novas riquezas.

O livro “O Capital” de Thomas Piketty afirma que a guerra é inconveniente para negócios. Alguém se dispõe a abrir um restaurante na Venezuela? Quem sabe um hospital na Síria? Que tal uma fábrica de celulares na Ucrânia? Instabilidade política e geopolítica é péssima para negócios e parece ser o que o próximo presidente está buscando incrementar ainda mais, no pico do leverage. (Alavancagem; excesso de dívidas)

O que é importante entender é que nós vivemos num sistema com socialismo estatal, mas o estranho é que se trata de um socialismo no qual os lucros são privados e as perdas são socializadas. Então se você não ficou preocupado, fique, porque está se aproximando a hora de passar a conta para o povo e pedir a colaboração e sacrifício do povo para superar o momento difícil em prol de um novo e róseo porvir!

NOVOS PARADIGMAS: A NOVA MOEDA MUNDIAL

A reação mais comum aos argumentos apresentados é que os EUA sempre tiveram a capacidade de dar a volta por cima superando suas dificuldades. E é verdade, realmente os americanos são muito criativos.

Uma das razões é o domínio do dólar. Imagine que você sendo americano pode importar um sapato da Itália, trazer um carro da Coreia e estará sempre pagando na própria moeda, sem se preocupar com o câmbio. Se o país fica endividado, como atualmente, é só imprimir novos dólares nas impressoras trazidas da China, pois muitos países estarão ávidos de comprar esses dólares para garantir suas importações e sua poupança contra a desvalorização das próprias moedas. Então não há porque se preocupar com inflação. Não havia. A partir de 2017, o mundo será de outra cor.

Já comentei em vários relatórios aqui no meu site que os BRICS, os países em desenvolvimento representados pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, firmaram um acordo para a criação de um novo sistema financeiro liderado pela China para tornar o Yuan a moeda reserva de negociação nas operações comerciais e financeiras internacionais, tomando o lugar do King Dollar. A eles também aderiram os países do Oriente Médio, o grupo que integra a OPEP, Irã, vários países latinos e asiáticos.

Esses acordos foram fechados na surdina, a mídia não os levou a sério e o câncer foi se espalhando. Atualmente, as operações comerciais dos Brics já não são totalmente efetuadas em dólares. Por causa disso as reservas em dólares da China de $4 trilhões caíram para $3 trilhões em pouco mais de um ano e meio e seguem caindo em ritmo mais veloz.

Como sabem, no início deste ano, a China ingressou no seleto clube SDR do FMI. Durante anos, os EUA vetaram a entrada da China, porque eles possuem isoladamente a maior participação, acima de 15%, na cesta de moedas o que garante o poder de veto. Em 01 de janeiro de 2017, os Brics terão ultrapassado os EUA e poderão ditar novas regras.

Aí, antevejo duas possibilidades:

1- A China oficializa o novo sistema financeiro baseado no Yuan e com respaldo em ouro que veio acumulando ao longo dos últimos dez anos.

2- O FMI, para evitar que a alternativa 1 aconteça, poderá efetivar a criação de uma nova moeda mundial para todas as operações comerciais e financeiras que será lançada ainda no primeiro trimestre, desbancando totalmente o dólar da posição atual de moeda reserva proeminente.

A nova moeda criada será respaldada pelos PIBs de cada país participante e quanto menor a métrica Débito/PIB maior será a participação da moeda do país aumentando sua importância no mercado internacional.

Perdendo o trono, o dólar tenderá a se desvalorizar porque não haverá o mesmo interesse dos países em possuí-lo como reserva e novas emissões, sem compradores ávidos, resultará em inflação e desvalorização.

Em consequência, o ouro, a prata, a platina e urânio subirão no mercado internacional, cotados em dólares.

É esperar e ver. Esteja do lado certo para defender o seu. Ninguém virá para salvá-lo.

dez 042016
 

ALTA INSTABILIDADE NA EUROPA

Il presidente del Consiglio Matteo Renzi (S) con il ministro della Salute Beatrice Lorenzin (D) durante la trasmissione di Rai1 "Porta a Porta" Speciale Referendum, condotta da Bruno Vespa, Roma, 23 novembre 2016. ANSA/ANGELO CARCONI

Il presidente del Consiglio Matteo Renzi con il ministro della Salute Beatrice Lorenzin

Os italianos vão às urnas hoje, por convocação do premiê Matteo Renzi para votar SIM à proposta de reforma da Constituição que prevê a alteração de 40 artigos. Você pode imaginar o que significa isso, como explicar para a população mal informada que nem conhece os termos da Constituição vigente uma reforma complexa que retira poderes do Senado, reduz o número de senadores de 315 para 100 e elimina a remuneração deles, além de variados outros temas.

Algumas agências de pesquisas dão como certo a vitória do SIM e outras avaliam um resultado muito apertado entre o SIM e o NÃO.

Eu previ, aqui em meu site, a vitória do BREXIT, a saída da Grã-Bretanha da União Europeia, contra todas as previsões de agências e analistas. Previ também a vitória folgada de TRUMP contra todas as previsões. A razão é que utilizo outro ferramental para efetuar minhas avaliações e posso vaticinar que, desta vez, prevalecerá o NÃO nas votações de hoje.

Conheça minhas razões:

Uma reforma complexa e de difícil explicação tornou-se, na realidade, uma forma de referendar ou não o governo de Renzi. Há muita insatisfação na Itália com o atual governo e se não fosse assim não haveria razão para o referendo.

A oposição, representada majoritariamente pelo cómico Beppe Grillo através do partido M5S (Movimento Cinco Estrelas), radical populista, está esperando a oportunidade para disputar o próximo pleito e tem grandes chances de levar. Nas últimas eleições municipais emplacou a prefeita de Roma que, entretanto, já colocou o próprio partido em dificuldades por causa de suas trapalhadas.

O governo tem uma dívida enorme que supera os 130% da relação Dívida/PIB. O sistema bancário está em graves dificuldades de liquidez com alguns bancos em situação de quebra, semelhantes ao Deutsche da Alemanha. É sempre o endividamento o responsável pela queda da eficiência na gestão do dinheiro público, da queda de produção e consequente queda da arrecadação, da elevação de impostos e redução do emprego, enfim aquela ladainha que avançou por todo o mundo civilizado. E não há economista ou financista que dê volta nessa situação sem passar a conta, democraticamente, para o povão.

O povão está revoltado, não entende os efeitos da globalização que aumentou a eficiência global, melhorou as comunicações, implementou as inovações e fechou as fábricas tradicionais que exigiam muita mão-de-obra.

Daí, se aparece um cómico que, com bom humor saiba como encantar as plateias falando as “verdades” que o povo está ansioso por ouvir (repetição do fenômeno TRUMP), o NÃO pode ser arrasador.

O que acontece com o cidadão consciente, bem informado e bem-intencionado?

Certamente poderia votar pelo SIM para dar continuidade e força ao atual primeiro-ministro, mas considerará, na hora do voto, que a mudança na Constituição de seu país vai retirar os freios e contrapesos típicos de uma democracia liberal e isso poderá ser perigoso no caso de uma futura vitória do M5S.

Bem, agora é esperar e ver no que vai dar.

***

nov 232016
 

Já escrevi vários artigos sobre a nova moda que está pegando no mundo desenvolvido — the cashless — a sociedade sem papel moeda.

Recentemente, trouxe aos meus distinguidos leitores e leitoras minhas observações na Suécia, uma sociedade que já não aceita dinheiro. Até mesmo nas igrejas, o dízimo, antes recolhido dos fieis em sacolas ao longo das naves laterais, agora se faz pela transferência de conta à conta, através do celular.

A novidade que trago, agora, é que essa prática atingiu de forma drástica um pais em desenvolvimento, integrante dos BRICS, a ÍNDIA.

Provavelmente você não tomou conhecimento, pois assuntos importantes internacionais passam batido pela nossa imprensa tupiniquim. O governo da Índia, neste mês, precisamente no dia 8, baixou uma lei tornando sem valor legal as notas de 1,000 e 500 rupee. O dinheiro no bolso do indiano ou guardado no cofre em sua casa, instantaneamente, tornou-se sem valor. O governo permite que o cidadão vá até o banco mais próximo e troque as notas sem valor por um crédito digital em sua conta corrente. Se você pensou “bem, então não há perda nenhuma”, parabéns, sinal de que é um cidadão honesto e cumpridor de seus deveres. Imagine o político com o cofre abarrotado de propinas ou o traficante com notas gordas na maleta.

clipboard01

Ao trocarem as notas por crédito este será avaliado pela Receita Federal que verificará, mediante algoritmos precisos, se há compatibilidade com a renda declarada. Caso as explicações não forem convincentes para atestar a origem do dinheiro, o cidadão entrará em grandes dificuldades.

A decisão da Índia vem causando enormes tumultos nos mercados. As notas ilegais estão sendo comercializadas com grandes descontos. Quem seriam os compradores? Profissionais liberais, comerciantes, pessoas que possuem renda, mas a sonegam. Comprando as notas e declarando a renda, mesmo pagando os impostos devidos, ainda terão lucro ao depositá-las no banco. O preço do ouro disparou. Na Índia o ouro está sendo comercializado a 2,300 dólares a onça enquanto o preço spot no mercado internacional está em $1,275. Qual é a jogada?

Pessoas com dinheiro sem respaldo em suas declarações de renda estão comprando ouro por quase o dobro do preço como forma de livrar parte da renda ilegal. Naturalmente o comerciante de ouro irá justificar a receita pela venda do metal. Com um pouco de imaginação poderão ampliar os negócios para vários produtos de consumo.

Logo essa moda virá para o Brasil, cujo governo está sedento de recursos e poderá tornar sem valor, com uma simples penada, as notas de R$ 100,00 e R$ 50,00, tornando impossível o transporte de dinheiro nas cuecas, mesmo as de tamanho gigante.

Aposto que o Trump irá suspender a nota de US$ 100.00 e no próximo Natal muita gente vai receber o presente abaixo:

222

nov 172016
 

donald-trump-trademarked-a-ronald-reagan-slogan-and-would-like-to-stop-other-republicans-from-using-it

DEMOCRACIA

É O SISTEMA POLÍTICO NO QUAL OS CIDADÃOS ELEGEM OS SEUS DIRIGENTES, QUE GARANTE A LIBERDADE DE EXPRESSÃO, NÃO ABRIGA PRIVILÉGIOS DE CLASSE DE NENHUMA NATUREZA E NO QUAL O POVO EXERCE SUA SOBERANIA.

1-Quando os políticos podem se aposentar com apenas 8 anos de “serviços prestados à nação”, com rendimentos integrais…

2-Quando funcionários públicos podem se aposentar com salários integrais…

3-Quando os trabalhadores privados se aposentam com menos de um terço de sua renda na ativa…

4-Quando políticos cometem crimes comuns como roubo descarado, cobram propinas ou fazem de sua atividade representativa um balcão de negócios particulares e ainda possuem foro privilegiado para não serem julgados até a prescrição da pena…

5-Quando o dirigente de uma nação promove perseguição religiosa, a estrangeiros e imigrantes de outras raças…

…TEMOS DEMOCRACIA?

Não, a democracia como forma de governo já foi extinta da face da terra em todos os países do planeta. Só que as pessoas ainda não se deram conta disso. O que chamam de democracia é uma farsa.

Observem os EUA que se consideram paladino da democracia e a própria Grécia de onde ela surgiu. Não há nada que se assemelhe à definição acima.

A vitória de Donald Trump, que previ em minhas publicações, foram negadas pelo Pres. Obama, pelas agências de pesquisas e pela grande maioria dos analistas que analisam com premissas erradas. Trump vai acender um movimento de extrema direita na Europa e em outros países e levar os EUA para um período de retrocesso, se colocar em prática suas promessas eleitorais. Com a já definida nomeação de Stephen Bannon como principal estrategista na casa Branca, Trump deu o sinal evidente de que pretende cumprir suas promessas.

PREVISÕES PARA A ECONOMIA AMERICANA E BRASILEIRA

O que Trump pretende fazer:

1-Rever as políticas comerciais com o mundo adotando um fechamento no comércio exterior. Prometeu introduzir tarifas de 45% sobre os produtos oriundos da China. Reduzir o imposto de renda das corporações de 35% para 15% para incentiva-las a ingressarem no país os lucros obtidos no exterior. Também pretende reduzir o imposto sobre pessoas físicas de 39,6% para 33%. Com esses fluxos pretende ampliar o orçamento de defesa e ampliar a gastança na recuperação de estradas, pontes, viadutos, aeroportos, rede elétrica, tuneis, dutos para transporte de petróleo e gás e ampliar investimentos na produção de petróleo pelo sistema fracking em rochas de xisto. Com tudo isso, que alcançará algo como 6,7% do PIB ampliando ainda mais os débitos do país, pretende criar empregos em alta escala e fazer crescer a economia.

Há muitas incongruências nesse plano:

A adoção de proteção comercial é um retrocesso. Ao invés de criar riquezas produz inflação porque os produtos importados ficam mais caros. Mais inflação exige aumento da taxa de juros para controla-la e maiores juros sugarão mais recursos do orçamento do governo para o pagamento da dívida impagável. O aumento da taxa de juros, além de provocar uma quebradeira no mercado internacional, que há dez anos se aproveita das taxas de juros zero para endividar suas empresas e governos, vai valorizar o dólar tornando mais caras as exportações do país que não poderá se aproveitar das importações mais baratas pelo câmbio, pois ficarão mais caras pelas restrições ao comercio com as novas tarifas. O resultado esperado será o desemprego e fechamento de empresas. Algo assim como estamos observando no Brasil.

Trump também quer que os aliados invistam em armamento e se desejarem o apoio dos EUA devem pagar por ela. Então fica fora de propósito os investimentos em defesa que receberiam muitos recursos para não serem aplicados.

Como ficarão as ações de setores que serão afetados por essas políticas:

Ações de defesa:

Pelos motivos apontados acima fica difícil avaliar, agora, se os resultados serão positivos ou negativos.

Ações de Energia:

Trump pretende desregular as indústrias de óleo, gás e carvão. As ações desses setores poderão se beneficiar dessas medidas com prejuízo para as ações de empresas ambientalistas como as de energia solar e eólicas. Contudo, podemos esperar uma forte reação mundial contra o rompimento dos acordos de redução das emissões de gás carbono. Mesmo a indústria de produtos fosseis poderá ser prejudicada nas exportações pela concorrência predatória dos países do Oriente Médio, Irã e Rússia que terão motivos para manter a Guerra do Petróleo ativa, tal como a descrevi nos relatórios relacionados a essa guerra.

Ações do Setor Financeiro:

Bancos, empréstimos e poupança serão os grandes beneficiários da política de Trump, porque lucram mais com menos regulação e com maior taxa de juros.

Bond:

O FED pretende enxugar a base monetária que ficou muito expandida após os projetos “Quantitative Easing”. Então, fará o contrário, vendendo os títulos no mercado e recolhendo dólares. O excesso de vendas produzirá a queda de preços dos bonds e consequentemente o aumento de seu rendimento, pois a taxa de juros dos bonds não se altera.

Ouro:

Com a vitória de Trump o ouro sofreu uma reversão se desvalorizando. Na verdade, foi o dólar que se valorizou fortemente na crença de que com Trump a América será grande outra vez. Obviamente, todas as demais moedas se desvalorizaram, o ouro inclusive. Para os que tem ouro aconselho manter o investimento e para os que não entraram que aproveitem a oportunidade de entrar, agora. Porque os planos de Trump, que incluem a redução de impostos, maior desregulação e aumento de gastos, o tornarão conhecido como o “Rei do Débito”. Essa política é bastante adequada para investidores conscientes se resguardarem no ouro.

Ações de Infraestrutura:

Trump, como Hillary pretendia também, fará grandes gastos nessa área, além da construção da já famosa “Wall” na fronteira com o México. Essa iniciativa demandará muito ferro de construção, aço, cimento, madeira compensada, cujos produtos beneficiarão companhias como a Vale, Duratex, siderúrgicas e as indústrias cimenteiras.

Setor Farmacêutico:

Vai se dar bem porque Trump não vai interferir, como fez Obama e pretendia Hillary, nos preços dos medicamentos.

Brasil:

Será prejudicado pela política americana que propiciará uma revoada de dólares para seu país. Então a Bolsa de Valores sofrerá o impacto das vendas dos estrangeiros e as empresas terão seus lucros reduzidos pela queda das exportações devidas à proteção comercial a ser implantada e ao aumento de custos nas importações. No ambiente interno a instabilidade política permanecerá e as reformas a serem implantadas terão dificuldades de alcançar eficiência. A recuperação econômica será mais vagarosa e as eleições de 2018 serão uma incógnita. Ademais, o Brasil estará fora das preocupações e interesse do Rei do Débito.

Acho firmemente que a China estará bem posicionada para ampliar seu protagonismo como o próximo país líder mundial, nos próximos 10 anos.

Espero que o novo presidente tenha êxito em sua gestão e torço para que prove que estou totalmente errado. Pelo menos, a nação americana e o resto do mundo se beneficiarão.

Um último pensamento:

A história mostra que o sucesso nos investimentos, de modo geral, não é creditado aos macroeconomistas, especialistas em geopolíticas, analistas do FED e operadores de mercado. É devido, quase sempre, às pessoas que entendem de negócios e os analisam com critério.

* * * * *

out 192016
 

1- Um Mundo Endividado

De acordo com o FMI, o mundo está inundado com US$ 152 trilhões de débitos, públicos e privados.

1Esse número sozinho diz muito e nada, ao mesmo tempo. Então vejamos o que significa, realmente: esse monte de trilhões cobriria nove campos de futebol apenas com notas de $100 dólares empilhadas a uma altura de 33 metros, o equivalente a um prédio de 11 andares. A ideia ficou melhor, agora?

Esse débito significava, 225% do produto bruto mundial, em 2015. Trocando em miúdos, significa que para cada dólar de riqueza criada, com produção de bens e serviços, se faz necessário $2,25 de novos empréstimos.

Como referência, quando a União Europeia foi criada ficou estabelecido um acordo entre os países membros de que cada país não poderia exceder 60% na relação débito/GDP. (GDP é o equivalente ao nosso PIB). Entretanto, Grécia, Espanha, Itália, Portugal e quase a maioria dos países não respeitaram esse limite e a Europa está capengando, em consequência.

Fazendo uma analogia ao Brasil, os governos federal, estaduais e municipais também não respeitaram a Lei de Responsabilidade Fiscal e agora está em processo de aprovação na Câmara e Senado a PEC do TETO, que impõe um limite à dívida pelo prazo de 20 anos. Aposte que será objeto de emendas, alterações e descumprimento já nos próximos dois anos. Políticos só sabem gastar.

A razão é simples: gasto público é comandado por políticos que não se importam com a economia do país, mesmo porque não são preparados para entendê-la. A motivação que os move está focada no voto popular e na permanência no poder. Por outro lado, no setor privado, se a direção da empresa faz barbarismos com os gastos, os acionistas vendem suas participações em títulos e ações e o preço desses ativos caem penalizando a empresa. No setor público isso não acontece, porque o investidor principal é o estado, comandado por políticos e então…a conta é socializada, através de inflação, perda de empregos, queda de atividade e aumento de impostos, tudo com recursos do povo, em favor do povo e pelo povo.

O FMI afirma também que o a relação débito/GDP, vem crescendo constantemente ao longo dos anos e que uma atitude deve ser tomada logo antes que haja um crash no sistema.

Nos últimos anos, desde a última crise de 2008, a maior desde o grande crash de 1929, os bancos centrais têm feito muito experimentalismo malsucedido. O Quantitative Easing (QE) que inundou os mercados em vários trilhões de dólares não conseguiu produzir o esperado crescimento da atividade econômica. Outro experimentalismo foi a redução e permanência da taxa de juros próxima de zero durante 9 anos seguidos e que tampouco deu resultados. Tentativas do FED de provocar inflação deu resultado negativo e agora a nunca antes tentada em tempo algum — as taxas de juros negativas — instituídas pelos Bancos Centrais de diversos países, entre eles a União Europeia, Japão, Suécia, Suíça, Dinamarca, também tem apresentado resultados negativos.

Os economistas do FED e do FMI não estão sabendo como lidar com a situação, já esgotaram todas as ferramentas conhecidas de estabilidade ou reversão de situação e o que sabem fazer é o que estão fazendo, interferindo a todo o momento na produção de bens e serviços com ameaças de aumento de juros e manipulações nas taxas de câmbio tornando impossível qualquer planificação de produção, custos, previsões de comercio exterior, tornando instável e arriscado os mercados de títulos e valores e, em consequência, produzindo em escala global o desemprego, queda da produtividade, paralisações de produção e grandes desperdícios.

Vários países estão estudando, através de suas universidades e grupos especiais de estudos, alternativas para essa situação crítica. Entre eles, dois pesos-pesados entraram em cena, ultimamente.

2-Rússia e China

O petróleo proveniente da Grã-Bretanha, o denominado BRENT era muito exportado para a Europa e outros países, por isso era uma referência na cotação internacional da commodity. Atualmente, as reservas de petróleo da GB estão quase esgotadas e o volume de suas exportações reduzidas são pouco significativas em relação a outros exportadores como OPEP e, de modo destacado, a Rússia.

Com a saída da GB da EU, pelo BREXIT, a Rússia está assumindo o lugar como a mais significativa exportadora do URALS blend. O presidente Putin já manifestou diversas vezes, em conjunto com a China, que têm a intenção de afastar-se do domínio do dólar no mercado internacional. A Rússia está agora em condições de fixar o preço do petróleo na Europa e em outros países importadores e a consequência será a queda significativa do dólar nas transações de energia e posteriormente, por agregação, de outras commodities o que já está acontecendo, agora mesmo. A causa são essas políticas comerciais adicionadas ao sentimento de descrédito nas políticas implementadas pelo FED, um banco reconhecidamente falido com débito/capital > 80 vezes, ou seja, 80 dólares de dívida são garantidos por 1 dólar de capital.

Agora, em 01 de outubro, a China ingressou oficialmente na SDR, a cesta de moedas reservas do FMI. A composição atual da cesta é a seguinte:

Cesta SDR

Dólar                41,30%
Euro                 30,90%
Yuan                 10,92%
Yen                     8,30%
GBPound          8,10%

Eu já havia comentado que a China vem sacando de suas reservas trilhionárias para reduzir sua exposição ao dólar, já prevendo a desvalorização da moeda americana, que aliás, já vem ocorrendo. Fechou acordo com vários países do oriente, oriente médio e ocidente para que as negociações relativas ao comercio internacional com a China sejam efetuadas em sua moeda Yuan, agora uma moeda oficial de reserva. Recentemente, a UNCTAD (Conferência das Nações Unidas Sobre Comércio e Desenvolvimento) confirmou a saída de capitais da reserva americana em $656 bilhões de dólares em 2015 e mais $185 bilhões, apenas no primeiro trimestre de 2016.

A anunciada perda da hegemonia do dólar no mercado internacional, que não acontecerá, por sorte, da noite para o dia, mas que certamente sofrerá uma deterioração continua, irá mudar o cenário econômico e político do mundo nos próximos anos.

3As eleições nos EUA já estão indicando que o povo americano não está feliz com as orientações políticas de seu país e daí surgiu o fenômeno Trump, o candidato republicano, odiado pela direção do próprio partido que o aceitou e pelo stablishment político. Mesmo assim, Trump tem grande chance de se mudar para a Casa Branca. Após as eleições chegará a hora da verdade e quando os tapetes forem removidos para a lavanderia, ficará exposta a verdadeira situação do país.

3 –A mídia americana acusa a China de manipular o Yuan.

A razão é simples: desviar a atenção do público dos fracassados programas de política monetária dos EUA para um suposto culpado.

Você deve ter observado que o dólar que vinha caindo em relação às demais moedas reagiu nas últimas semanas devido as declarações orquestradas de vários integrantes da cúpula do FED favoráveis a elevação da taxa de juros. Consequentemente o Yuan, acompanhado das demais moedas fortes, se desvalorizou, mas a mídia caiu em cima da China acusando-a de manipular o Yuan.

2O gráfico acima mostra a desvalorização do dólar comercial em relação ao real, que obviamente se valoriza.

Entretanto, como deve ter notado um leitor atento, o FMI que introduziu o Yuan no seleto grupo integrante da cesta de moedas reserva—SDR— no último 01 de outubro, não fez comentários e nem poderia fazê-los. A razão, é o Acordo de Shanghai, aquele para o qual já dediquei um relatório especial. Segundo esse acordo, a condição para o Yuan ingressar na citada cesta de moedas, seria ficar atrelado ao dólar, ou seja, se o dólar sobe ou desce a relação cambial entre as duas moedas não se altera. A China ampliou a negociação a seu favor indicando que o atrelamento ao dólar já foi experimentado no passado, mas a política experimentalista do FED prejudicou enormemente as exportações da China, um pais em desenvolvimento. Assim proporia uma contraproposta, que afinal foi aceita pelo FMI. Nessa proposta a China incluía um compromisso e um procedimento de total transparência que pudesse ser comprovado pelo órgão regulador de ausência de manipulação, pela China, na fixação do valor de sua moeda e isso se faria através de um duplo atrelamento. Caso o dólar se desvalorizasse, o Yuan ficaria atrelado ao dólar, mas se o dólar se valorizasse o Yuan ficaria atrelado ao CFETS (China Foreign Exchange Trade System) uma cesta de moedas composta pelas moedas dos treze países, maiores parceiros da China no comércio internacional.

Agora mesmo, o dólar, pela razão acima apontada, se valorizou contra o EUR, GBP, JPY, REAL e outras. Então, conforme o Acordo de Shanghai o Yuan se desvalorizou o mesmo que o índice CFETS. Quando o dólar voltar a se desvalorizar o Yuan acompanhará o dólar. Agora, convenhamos, os chineses têm jogo de cintura, né não?

4 – Porque Devemos Responsabilizar O Sistema Monetário?

A razão mais séria que a economia mundial está enfrentando não é devido à globalização, nem à automação, nem ao envelhecimento da população, nem ao excesso de poupança ou à ausência de demanda. Sem a menor dúvida ela deve ser creditada ao Sistema Monetário.

Desde 1971, quando o padrão ouro foi abolido pelo presidente Nixon, a moeda americana tornou-se uma moeda de vento a qual passou a criar uma prosperidade baseada em débitos ao invés de genuína riqueza, resultando em mais baixo crescimento, menores salários reais e alto nível de débitos impagáveis.

4Problemas apresentados pelo atual Sistema Monetário:

—Nosso dinheiro provém de um monopólio. O governo é o único com poderes de criar e suprir a moeda que usamos.

—Nossa moeda não é aferida por nada, desde 1971.

—O governo deveria ter instrumentos que pudesse persuadir aos usuários do dinheiro que ele produz, que esse dinheiro tem fundamentos para manter seu valor no longo prazo, de forma estável.

O gráfico, a seguir mostra como desde 1971, quando o padrão ouro deixou de existir, o dólar se desvalorizou em relação ao ouro, esta uma moeda estável em seu valor no longo prazo. Significa que uma quantidade X de dólares comprava, em 1971, 100 gramas de ouro. Atualmente, a mesma quantidade X de dólares compraria apenas 3 gramas.

É com a impressora que os políticos destroem o valor da moeda.

5

5–Seria Plausível O Retorno Do Ouro Como Âncora Da Moeda?

Certamente, este é um tema controvertido. Há muito tempo atrás, Milton Friedman, um economista monetarista, foi um grande crítico do ouro como apoio às moedas. Ele argumentava que não fazia sentido retirar das profundezas da terra uma quantidade de ouro a um custo altíssimo para depois voltar a enterrá-lo num cofre.

6Aparentemente faz sentido, mas pense um momento na seguinte situação: porque você gastaria muito dinheiro colocando fechaduras nas portas de sua casa, distribuindo chaves para toda a família, quando para entrar e sair bastaria um trinco, apenas.

A razão é lógica: você não confia na vizinhança e nas demais pessoas. O mesmo ocorre com o dinheiro. Você trabalha para ganhar dinheiro que não é escolhido por você, mas pelos políticos, fabricado por eles e desvalorizado por eles, transferindo para você os ônus de uma moeda com menos valor, o que reduz o poder de compra de seu salário.

Então faz sentido, sim, colocar um basta nessa festa dos políticos e limitar a emissão desordenada de moeda. Uma forma de fazer isso é colocar a fechadura no cofre onde permanecerá enterrado o ouro. Se não puderem emitir moeda sem o correspondente lastro de ouro, os políticos não poderão fazer o que querem com nosso suado dinheirinho.

Claro está que os políticos que acabaram com o padrão ouro, que deu certo durante séculos, não querem a volta dele porque seria um seguro contra a emissão de moeda sem lastro e é o que eles sabem e gostam de fazer. Então, arrumam vários argumentos contrários a essa medida. Dizem que não há ouro suficiente para bancar a quantidade atual de moeda em circulação. Há muitas formas de derrubar esse argumento. Uma delas seria elevar o preço do ouro. Teríamos riqueza real com valor intrínseco suficiente para cobrir toda a base monetária. Parece absurdo? A ideia não é minha. O presidente Roosevelt fez exatamente isso em 1934. Aumentou 70% o preço do ouro em dólares e a deflação parou, a economia avançou e a Bolsa subiu. Funcionou!

Falta dizer que Milton Friedman, mais tarde, reconheceu, quando se deu conta de como se tornou fácil para os políticos manipularem o valor da moeda, que ele estava errado em sua apreciação.

6 – O Fator China

Em outros relatórios, expliquei que a China vem organizando um novo Sistema Financeiro para operar com independência do dólar.

Como há mais de uma década ela vem empilhando barras de ouro, além de ser ela própria a maior mineradora de ouro no mundo, me faz crer que esse novo sistema que vem negociando com os países asiáticos, Índia, Rússia, África do Sul, Brasil e vários da América Latina, além de países ocidentais como Grã-Bretanha, Alemanha, França, Suíça e outros, terá como característica o atrelamento do Yuan ao ouro, como forma de ganhar confiança e adesão ao seu plano, especialmente no momento em que os EUA começam a perder força e credibilidade aos olhos do mundo.

7Não se desespere, o presente relatório tem por objetivo informar o que está acontecendo e porquê, para que tome suas precauções em defesa de seu patrimônio e o de sua família e faça seus investimentos com cuidado sem grandes expectativas para o futuro imediato que poderá sofrer um grande desastre a qualquer momento. A vida prosseguirá mais fácil ou difícil, dependendo de se colocar do lado certo com base em seus conhecimentos.

P.S.: Para os estudiosos e interessados no assunto do presente relatório, lembro que escrevi uma série de artigos, rigorosamente pesquisados e numa linguagem acessível, mesmo para não economistas, e relacionados com a temática “Guerra das Moedas”.

Poderão ter livre acesso a esse material, copiá-los ou imprimi-los diretamente aqui no meu site.

Os direitos autorais não são para criar reservas do conhecimento, mas para ser partilhados entre todos os que querem aprender.

* * * * *

%d blogueiros gostam disto: