nov 182017
 

Novo livro do escritor Dagoberto Aranha Pacheco, O Ser Humano e seu Gradativo Desenvolvimento – Formato PDF, 30 páginas, distribuição gratuita.

“Nos idos da década de 70 tive a oportunidade de participar de um workshop ministrado por Eric Berne, o criador da Análise Transacional, em San Francisco, na Califórnia. Foi uma experiência fascinante e de volta ao Brasil dei início a um Curso de Relações Inter e Intrapessoais que teve muito sucesso e foram ministrados na Pontifícia Universidade Católica – PUC, na Fundação D. Aguirre, em Sorocaba e em cursos avulsos de fins-de-semana no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte. Agora, estou retomando esse mesmo tema e integrando-o, de forma totalmente original, com a análise transacional, com os ensinamentos das tradições orientais e as interpretações de Jung.

Dagoberto Pacheco.”

<<Clique aqui para baixar o livro>> Livro-o ser humano e seu gradativo desenvolvimento-dagoberto pacheco

jul 312015
 

Lembra-se de quando a Sony anunciou o lançamento da comédia ‘The Interview” nas vésperas do Natal passado?  Nessa película, dois personagens da TV americana seriam enviados à Coreia do Norte para assassinar o ditador Kim Jong Un. Enquanto os americanos se divertiam com a engraçada ideia, a Coreia do Norte considerou o comentário uma declaração de guerra e um verdadeiro patrocínio ao terrorismo.

Dias depois, hackers, não se sabe de onde, invadiram e derrubaram os sistemas da Sony e destruíram grande quantidade de dados de seus arquivos e os vírus introduzidos destruíram os discos rígidos dos computadores da empresa.

Nas legislações vigentes, como afrontar um cyber ataque? Quem são os autores? De onde procede? Quais provas? Tudo obsoleto!

Quando os EUA recebem um ataque convencional, lançam seus foguetes ou fazem um ataque aéreo cirúrgico. Como fazer frente ao terrorismo, onde uma criança é explodida remotamente num metrô, numa igreja ou num cinema?

No caso da Sony, o qual já deve ter sido esquecido pela maioria das pessoas, cada vez mais insensíveis a escândalos, crimes e atos terroristas, inúmeras cadeias de cinema recusaram a projetar o citado filme com receio de atos revanchistas dos adeptos do terror e a Sony teve de cancelar o lançamento do filme “The Interview”.

Não houve mortes nem feridos e ninguém foi preso. Caso encerrado!

A guerra convencional acabou. Entrou em cena a Cyberwar.

Tenho um interesse muito especial sobre o assunto relacionado às guerras, como meus leitores já devem ter notado. Talvez porque acho a guerra incompreensível e isso me atrai na esperança de encontrar uma razão plausível para se gastar tantos trilhões destinados à morte e destruição.

Sobre esse tema li, recentemente, um livro muito completo e instrutivo “Cybersecurity and Cyberwar”, de Peter Singer e Allan Friedman.

O livro trata com propriedade da vulnerabilidade da organização do mundo atual baseado em dois fenômenos recentes: a globalização e a digitalização.

Exemplificando, em recente ataque à grade energética da Califórnia, que ficou mais de 4 horas em total apagão, ‘The Wall Street Journal’ publicou a reportagem “US, Risks National Blackout From Small Scale Attack”.

A grade energética dos EUA é muito antiga, tem cerca de 100 anos e as mais recentes são da década de 60 e 70. A vulnerabilidade dessa grade foi demonstrada experimentalmente por hackers, como revela o artigo, e está sendo considerada a viabilidade de um ataque total, capaz de apagar o Tio Sam.  Já imaginou o sistema bancário paralisado, Bolsas de Valores fechadas, caixas eletrônicos inoperantes, hospitais sem aparelhos e pacientes mortos nas UTIs, metrôs, trens e aviões trafegando sem comunicação com a terra e com seus computadores sem ação e nós, aqui em baixo, sem telefone, sem internet e sem TV? É o caos, o retrato do inferno.

O quadro abaixo indica a frequência de interrupção da energia elétrica nos países adiantados:Screenshot_2015-07-31-22-40-55-1

É verdade que os EUA permanecem dominantes nas áreas de inovação, tecnologia de ponta, militar, política, econômica e científica, mas sua hegemonia global já parece estar fenecendo.

A supremacia geopolítica global que a América conservou desde a II Guerra Mundial e mais fortalecida desde o colapso da União Soviética, a conduziu a tornar-se a única detentora de um superpoder mundial, mas essa situação está visivelmente mudando de forma continua e aparentemente irreversível.

Depois de se desgastar em várias intervenções de invencíveis guerras contra oponentes consideravelmente mais fracos, os EUA foram forçados a se recolherem, deixando um vácuo de poder que tem produzido crises regionais como as do Oriente Médio, Ucrânia e nos mares do Sul e Este da China, o que tem contribuído para maior instabilidade e desordem nessas regiões.

Com o advento da Cyberwar, o jogo de forças se desequilibrou ao mesmo tempo em que a TI, a tecnologia da informação, se tornou viável e acessível à gregos e troianos.

O Pentágono está reciclando o foco de seus investimentos militares direcionando-os para equipamentos não tripuláveis—os drones—tanto nos espaços aéreo como submarino, na robótica, nos softwares para espionagem e defesa contra os ataques cibernéticos e terroristas, criando enormes perspectivas de lucrativos investimentos em novas e atuais empresas vinculadas a essas tecnologias.

A situação que descrevi acima não é resultado de uma elucubração mental nem de uma fantasia de escritor, mas resultado de pesquisas sobre o que está acontecendo e que ninguém toma conhecimento pela mídia.

A situação está tão crítica que vários e respeitáveis conselheiros financeiros de grandes organizações estão recomendando aos seus clientes nos EUA, sacarem recursos dos bancos e os manterem em casa de forma a cobrir os gastos necessários por um bom tempo. O mesmo recomendo aos meus leitores, pois o Brasil, que vive uma crise econômica e política sem precedentes, está na iminência de perder o grau de investimento e, se ocorrer, o dólar vai às nuvens e os bancos ficarão sem caixa para fazer frente aos resgastes.  Quem avisa, amigo é.

 

maio 152013
 

All traditional families are alike. But each one manage their conflicts in its own way. Love, treason, loyalty and redemption, in a story with a high level of mistery and suspense. An intriguing first novel by the Brazilian writer Dagoberto Aranha Pacheco.

Clipboard01

 

Tenho a grata satisfação de levar a vocês, diretamente aqui de Nova York, esta grande noticia: dia 14 de maio, foi lançado meu novo livro, editado em inglês pela KB+, da KBR Editora para ser comercializado e distribuído pela Amazon em escala mundial. Este é um grande acontecimento para a difusão da literatura brasileira e está sendo feita sem ajuda de incentivos e recursos públicos, apenas com muito trabalho, suor e méritos.

Confiram no link abaixo, deixem lá a sua curtida para destaque da obra no site, e façam o download para seu iPad, iPhone ou Note Book.

O autor emocionado agradece.

Abraço grande do
Dagoberto

http://www.amazon.com.br/dp/B00CS8KJTO

jan 072013
 

antologia-pessoal

 

 

Do 45º para o 9º lugar entre os 100 mais vendidos na Amazon.

 

Compre já o seu, aproveite o preço promocional.

nov 112012
 

Comentário de Alex Waller

Lançado neste mês de novembro, pela editora KBR, o livro “ANTOLOGIA PESSOAL” do escritor Dagoberto Aranha Pacheco está sendo comercializado pela AMAZON, em todo o mundo.

O autor faz uma retrospectiva de sua vida, pessoal, profissional, familiar e social, sob a ótica de um homem maduro e experiente.

Num retrospecto de sua infância, analisa a relação com os pais e revela como o exemplo deles em acontecimentos simples e corriqueiros foram determinantes na formação de seu caráter. Pensador, meditador, filósofo, conferencista e escritor, Dagoberto apresenta em Happy Hour uma série de palestras numa linguagem que se parece a uma conversa íntima com o leitor. Nelas apresenta sua visão de estratégia e táticas para exemplificar a importância de se adotar uma estratégia de vida.

Segundo ele, viver é muito perigoso, tanto na vida social como no trabalho e nas disputas pela carreira profissional estamos sempre cercados de inimigos prontos para nos puxar o tapete.De forma agradável e em linguagem simples ele ensina o que fazer para garantir a sobrevivência e o êxito na vida. Como fazer as escolhas adequadas a cada situação, como vencer o comodismo e como se manter preparado para as surpresas. Explica porque resistimos a mudar, qual é a raiz do medo, como nos comportamos ante as inovações e porque devemos imitar as borboletas.

Aborda as transformações de nossa época e como elas nos estão afetando e abalando nossa saúde e como devemos nos comportar ante as mudanças inevitáveis. Amplia sua visão de como administrar o tempo ocioso, penetra no difícil tema da espiritualidade e finaliza com uma abordagem filosófica sobre a saúde do corpo e do espírito.

A Antologia contém algumas cartas a sua mãe na qual Dagoberto revê seus conceitos infantis e descobre à luz de um pensamento maduro, conquistado por uma vida cheia de ricas experiências, um novo significado dos ensinamentos e atitudes que modelaram a sua formação.

Trata-se de um livro denso, cheio de ensinamentos para serem pensados e refletidos. Com grande experiência na arte da meditação que a pratica há cerca de meio século, Dagoberto foi além, nos brindou com sua visão de espiritualidade através de diálogos extremamente ricos que manteve com um personagem da idade média. Discute a prática da Aceitação, a prática da Entrega, o Amor e o Poder e finalmente a experiência da Unificação ao Eu Superior.

É um livro soberbo para ser digerido devagar e relido algumas vezes.

Para ler uma amostra, clique aqui <<

Para adquiri-lo, siga o link : ANTOLOGIA PESSOAL

 

%d blogueiros gostam disto: