out 132017
 

ANALISE TÉCNICA DO ÍNDICE BOVESPA

Numa visão ampla do índice, como mostrada no gráfico acima, destacamos os seguintes pontos, muito significativos:

III – final da terceira onda primária que alcançou o teto máximo em 73.920 em 30/05/2008, nas vésperas do crash produzido pela crise financeira nos EUA que se irradiou em escala global.

IV – em apenas cinco meses o Índice derreteu para a cota 29.435, uma desvalorização de 60,18%, completando a quarta onda primária e causando uma perda patrimonial sem precedentes para os investidores que não tomaram precauções defensivas, uma vez que os sinais eram bastantes evidentes antes desta ocorrência.

> a reação que se seguiu foi forte e completou a onda intermediaria (1), de um grau inferior à primária, na cota 73.103 em apenas 25 meses, em 30/11/2010. O teto anterior, entretanto, não chegou a ser ultrapassado, o que não tem importância, neste caso.

> o que sim, tem importância foi o prolongado período desenvolvido pela onda intermediaria (2) a qual permaneceu presa num túnel Bear durante nada menos de cinco anos e dez meses. A razão mais plausível para essa ocorrência foi a eleição de Dilma Rousseff para governar o Brasil. Durante todo o período de seu desgoverno a bolsa americana subiu sem parar ocorrendo um descolamento prolongado da bolsa brasileira em relação à americana.

W1 – a partir da finalização da onda (2) observamos o início da onda menor w1 de grau imediatamente inferior a onda intermediaria anterior, a qual conseguiu, como era esperado, ultrapassar a barreira do túnel, quando o impeachement da ‘infeliza presidenta’ estava em curso. Ademais encerrou sua escalada na cota 69.487.

W2 – a seguir a onda w2 de mesmo grau efetuou a correção até a cota 60.314.

W3 – estamos observando, agora, a onda w3 que se expande com ótimo momentum e força, a qual deve alcançar a cota 92.755 e, se as condições forem favoráveis poderá ir até 112.804, porém com bem menor probabilidade.

O efeito Dow Jones: na semana passada publiquei a análise do índice americano prevendo uma queda substancial para novembro. Contudo, como ficou demonstrado aqui, a bolsa brasileira se atrasou muito com as incertezas quanto ao futuro do país, perdendo investimentos do exterior e nacionais. É possível que muitos investimentos dos EUA possam voar para o Brasil em razão do saneamento produzido pela Lava-Jato, das reformas que já foram introduzidas pelo atual governo e especialmente se passar a reforma da Previdência, o que evitará um rebaixamento do nosso crédito pelas Agências de Risco.

Mas, no Brasil, até o passado é imprevisível.

Bons investimentos a todos.

* * *

Deixe um comentário seu:

%d blogueiros gostam disto: