A GEOPOLÍTICA MUNDIAL DA CHINA (4)

4º de 4 artigos EUROPA – CHINA Os investimentos chineses no continente europeu saltaram para US$ 40 bilhões em 2017, quase o dobro do ano anterior. Com investimentos considerados bem vindos pelos europeus, a China amplia sua presença e influência política entre os tradicionais aliados dos americanos. Estes, os americanos, estão temerosos de que a China se torne numa ameaça comercial e militar. Deveriam ficar mais atentos à lealdade de seus aliados. Seria bom se os europeus moderassem suas boas vindas à China? Não é o que está acontecendo e os europeus estão incentivados pela política de Trump de deixar que seus aliados cuidem de si mesmos. Traduzindo, as atitudes e decisões de Trump têm, metaforicamente, asfaltado e iluminado o caminho para o avanço mais fácil da China. A China vem adotando uma política de defesa e valorização do livre comércio, da preservação do meio ambiente, das negociações multilaterais, criando oportunidades aos países de crescerem juntos e desfrutarem de novas…

A GEOPOLÍTICA MUNDIAL DA CHINA (3)

3º de 4 artigos EUA – CHINA Em novembro último, três importantíssimas reuniões aconteceram do outro lado do planeta: a cúpula da ASEAN (Associação das Nações do Sudeste Asiático), uma outra do Leste Asiático, ambas em Cingapura, e a conferência da APEC (Cooperação Econômica Ásia-Pacífico), em Papua Nova Guiné. A importância dessas reuniões está relacionada com o propósito dos países da região que estão procurando se posicionar e avançar em meio a excepcional mudança de poder internacional que representa a extraordinária ascensão da China comandada pelo seu já denominado imperador Xi Jinping. Os presidentes da China, Japão, Rússia, Índia e Coreia do Sul participaram do evento, além dos países-membros. A exceção foi Trump que esnobou o encontro e enviou o vice-presidente Mike Pence para representar os EUA. Pence, em seu discurso, chegou a afirmar que o seu país está preocupado com a ascensão da China. Por outro lado, o propósito dos demais participantes era a preocupação com os movimentos dos…

A GEOPOLÍTICA MUNDIAL DA CHINA (2)

2º de 4 artigos BRASIL – CHINA A China é o maior parceiro comercial do Brasil que, por sua vez, é o maior parceiro comercial da América Latina. Estremecer essa relação não é bom para nenhum dos lados. Esperamos que o novo governo do Brasil, que se anuncia como liberal, intensifique as relações comerciais com a China, abra o país para os investimentos estrangeiros, já que necessitamos de recursos urgentes para a nossa precária infraestrutura, modernização dos meios de transporte rodoviário, ferroviário, fluvial e marítimo, reestruturação industrial, privatizações, melhoria da grade energética e minorar nossa persistente crise financeira. A nossa parceira China está derramando recursos pelo mundo afora. O Brasil precisa intensificar as relações diplomáticas e comerciais com China, EUA, Europa, Japão, países asiáticos, África, Oriente Médio e demais países da América Latina sempre e quando as trocas ofereçam vantagens para as partes e não apenas doações à fundo perdido como vinha sendo a prioridade do governo anterior. A China…

A GEOPOLÍTICA MUNDIAL DA CHINA (1)

1º de 4 artigos A CÚPULA DO G20, NA ARGENTINA Ocorreu nos últimos dias de novembro passado. Teve três prioridades:1- Futuro do trabalho2- Infraestrutura para o desenvolvimento3- Alimento sustentável; melhoria da produtividade O objetivo do G20 é promover a coordenação das políticas macroeconômicas globais. Destaques foram os pronunciamentos dos dois pesos pesados da economia e do comercio mundial: EUA e CHINA. Trump defende o unilateralismo e protecionismo no comércio e a China o multilateralismo e abertura dos mercados.De que estão falando? Vamos esclarecer os conceitos de ambos os termos para que este texto se torne útil. UNILATERALISMO é qualquer agenda ou doutrina que apoie uma ação unilateral. Eu defino, você acata, temos um acordo. Exemplos: “America First”: Trump diz para a China: “ou vocês importam mais produtos americanos ou vou taxar em 25% as importações dos produtos chineses”.Trata-se de uma imposição unilateral, usual em regimes totalitários e não democráticos.MULTILATERALISMO se refere às relações internacionais onde vários países, trabalham em conjunto…

Livro: A ECONOMIA AMERICANA

Novo livro do escritor Dagoberto Aranha Pacheco, A ECONOMIA AMERICANA – Formato PDF, 95 páginas, distribuição gratuita. UM LIVRO PARA SER LIDO POR NÃO ECONOMISTAS “Este livro mostra a evolução real da economia americana, faz um paralelo com o que ocorre no Brasil, indica as perspectivas futuras e ensina o que cada leitor atento pode fazer para se defender através do conhecimento que vai adquirir aqui.. Dagoberto Pacheco.” Resenha do livro A ECONOMIA AMERICANA por Alex Smith Waller (alexwaller8@terra.com.br), from Londres, Inglaterra   A ECONOMIA AMERICANA – Apresentação Estamos contemplando um mundo novo em acelerada transformação, onde jovens imberbes abandonam a universidade para empreender e se transformam em bilionários antes de completar 30 anos. Os estudos universitários já não importam ou estão defasados para os novos tempos? Inversamente, empresas sólidas e tradicionais estão sendo varridas do mercado e multimilionários estão empobrecendo. Na década de 90, do século anterior, Dagoberto Pacheco previu exatamente o que está ocorrendo agora, em sua ANTOLOGIA PESSOAL, sucesso…

Querida Tia Landa

São Paulo, 15 de setembro de 2018 Querida Tia Landa, Como sempre acontece, você passa o aniversário cercada dos sobrinhos queridos que vivem nessas bandas do sul e que a sequestram todos os anos. Quando venho visitá-la, me anuncio na Portaria como seu sobrinho do Sul. — Qual deles? — O Dagoberto. — Mas você não é do Sul! — Sim, sou da zona sul da Capital. Para esta comemoração de seu Primeiro Centenário, escrevi algumas linhas que quero compartilhar com todos os nossos amigos aqui presentes: Desejar-lhe boa saúde é conversa fiada, pois a última vez que eu a vi acamada, eu tinha nove anos. Então, que posso desejar-lhe: uma vida longa? Qual! você anda enganando toda a gente com seus 100 anos, quando seus documentos comprovam que são 103! Durante anos foi dedicada cuidadora de suas irmãs as quais a foram deixando só, restando-lhe a missão de alegrar os sobrinhos. Ainda muito bonita, totalmente lúcida, enérgica e sacudida,…

GUERRA COMERCIAL EUA & CHINA

O FATO: No dia seis de julho, dia no qual a Seleção do Brasil voltou para casa, a guerra comercial imposta por Trump foi iniciada, para valer. EM QUE CONSISTE: Vários produtos importados da China, principalmente aço e alumínio, além de outros produtos dos setores de tecnologia, aeroespacial, TI, autopeças e instrumentos de medicina terão taxas aduaneiras de 25%. O QUE ISSO REPRESENTA: US$ 34 bilhões de produtos oriundos da China ficarão mais caros para os americanos. Na realidade é muito pouco e pouco irá afetar as exportações globais da China, incluindo as destinadas aos EUA. Esse Valor é muito inferior às exportações totais da China para os EUA. Ademais os produtos americanos, como aço e alumínio, são mais caros e menos competitivos que os produzidos na China. Contudo, os americanos não irão investir em novas fábricas ou na modernização das existentes, para aumentar a produção interna e melhorar a competividade, porque não estão seguros de que essas medidas sejam…

ANALISE TÉCNICA DO ÍNDICE DOW JONES – 04/07/2018

Em 26/01/2018, o Índice Dow Jones alcançou o seu topo máximo encerrando o período “Bull Market” que teve início em 03/03/2009 e durou nove anos e quatro meses. Minhas análises visam prever os movimentos do índice no longo prazo, as chamadas tendências primárias, por isso não são frequentes não havendo intervenção enquanto os prognósticos se mostrarem verdadeiros. Em novembro de 2017 alertei que o índice estava prestes a encerrar o período “Bull” e iniciaria um longo período “Bear”, provavelmente de dois a três anos. Como o gráfico mostra, há cinco meses o índice permanece abaixo do pico máximo e com picos decrescentes e vários indicadores asseguram que a queda continuará até o suporte 21.480, que se ultrapassado produzirá um mini ‘crash’ do tamanho do primeiro. Façam bons investimentos sem perder o roteiro.

ÍNDICE S&P 500 – ANÁLISE TÉCNICA EM 02/04/2018

O índice está percorrendo a onda primária V. Já completou a onda w5 pertencente a onda intermediara (1) que foi completada na mesma cota 2.870,62. Essa cota empatou com minha previsão calculada em 2.870,05. Como seria previsto, ocorreu o inicio da onda corretiva (2), de grau intermediário que desenhará um ou dois tríplices e terá como suportes as cotas:2.351; 2.029; 1.509. Nenhuma dessas cotas foi alcançada, ainda, mas o índice está se desvalorizando e encontrará uma resistência provável entre as duas primeiras linhas. Não plotei a terceira linha de sustentação porque, até o momento, a probabilidade de ser alcançada é inferior a 5%, mas é uma probabilidade.

VALE ON – ANÁLISE TÉCNICA

Vale completou a onda w5 e, também, a onda intermediaria (1) que, por sua vez pertence à onda primária V, em curso. A cota máxima atingida foi 47,60 e a previsão era o intervalo 47 – 48. Está agora desenvolvendo a onda corretiva (2) que alcançará os suportes nas cotas 38,34 ou 32,61. Nesse nível oferecerá oportunidade de investimento, pois os indicadores e osciladores indicam firmeza da ação.

DOW JONES – ANALISE TÉCNICA EM 02/04/2018

Em minha última análise previ que o Dow Jones alcançaria o topo em meados de novembro/2017, tendo como alvo as cotas: 23.666; 25.586, sendo a segunda de maior probabilidade, com mais de 50% e a última com apenas 12,5%. Previ que o pico ocorreria em meados de novembro de 2017, o que de fato ocorreu com a cota 23.666 de maior probabilidade. Contudo, o índice seguiu adiante superando também a terceira cota numa ascensão espetacular digna de uma típica euforia de bolha. Excedeu minha previsão de prazo em dois meses em apenas 4% da cota máxima calculada. Completou a onda w5 que se alongou no dobro do percurso da onda w3. Com a onda w5 foram completadas as ondas intermediaria (5) e a onda primária V todas de uma só vez, indicando o final da fase Bull. (mercado em alta). Recalculando os novos suportes, não muito diferentes dos estabelecidos anteriormente, o Índice ingressará num período Bear Market que será prolongado…

Livro: O Ser Humano e seu Gradativo Desenvolvimento

Livro do escritor Dagoberto Aranha Pacheco, O Ser Humano e seu Gradativo Desenvolvimento – Formato PDF, 30 páginas, distribuição gratuita. “Nos idos da década de 70 tive a oportunidade de participar de um workshop ministrado por Eric Berne, o criador da Análise Transacional, em San Francisco, na Califórnia. Foi uma experiência fascinante e de volta ao Brasil dei início a um Curso de Relações Inter e Intrapessoais que teve muito sucesso e foram ministrados na Pontifícia Universidade Católica – PUC, na Fundação D. Aguirre, em Sorocaba e em cursos avulsos de fins-de-semana no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte. Agora, estou retomando esse mesmo tema e integrando-o, de forma totalmente original, com a análise transacional, com os ensinamentos das tradições orientais e as interpretações de Jung. Dagoberto Pacheco.”

Notícias Rápidas de Portugal II

Os índices Dow Jones, Nasdaq e S&P 500 estão todos abaixo dos topos alcançados, há mais de um ano. Há três grandes obstáculos que são responsáveis por esta situação: 1 – A EPIDEMIA DAS TAXAS NEGATIVAS. Os bonds de 10 anos dos governos do Reino Unido, Alemanha, Suíça e Japão, todos eles alcançaram seus picos históricos nesta semana, o que significa que também tiveram seus yields no fundo do poço. Os bonds alemães tiveram seu yield negativo pela primeira vez na história. Isso deve significar algo, né não? A única razão para investidores possuírem bonds com taxas negativas é o medo. Preferem perder algum dinheiro e manter o principal a salvo garantido pelo governo. Nesta importante semana, o mundo viu mais de US$ 10 trilhões de bonds governamentais com rendimentos abaixo de zero. Alguns investidores institucionais acham que poderão ganhar algum se as taxas baixarem ainda mais, como esperam, o que resultará na elevação dos preços dos títulos. Parece loucura,…

CHINA E SEU SECRETO PLANO ESTRATÉGICO

Eu aprendi táticas e estratégias com os chineses. Eles são especialistas nesse campo, embora nunca dizem que o são. Essa é a tática que usam. Táticas e estratégias foram muito úteis em minha carreira profissional. Talvez por isso, sou um pouco fascinado pela China e seu povo. Contudo, não tenho escrito sobre a China por razões de deleite, pelo contrário, estou preocupado e muito com meu próprio patrimônio e a segurança de minha família. Estou tornando pública minhas pesquisas para que você, meu fiel leitor, faça o mesmo, enquanto houver tempo. E o tempo está se estreitando. Quero apresentar-lhe alguns indicadores para que tome ciência que os chineses não estão brincando e o que está prestes a acontecer terá o efeito de um verdadeiro tsunami no mundo das finanças e na organização financeira mundial. Ninguém fala do que aqui vou revelar em primeira mão. Tenho visto notícias esparsas pelos jornais falado e escrito, mas são notícias de 20 segundos que…

Agências de Rating

O RISCO SOBERANO DO BRASIL O que são essas agências. Quando trabalhava em banco de investimento, chefiava um grupo de analistas os quais faziam a avaliação das condições da empresa que pleiteava financiamento para seus projetos de expansão ou implantação. Isso incluía o estudo de viabilidade técnico e econômico do projeto e, se este fosse pré-aprovado como viável, eu visitava pessoalmente a empresa, almoçava com os diretores e fazia uma avaliação pessoal da formação técnica dos empresários à frente da empresa, qual a cultura dominante, como eram tratados seus clientes e acionistas, que conhecimentos tinham de seus principais concorrentes e que providências estavam desenvolvendo para garantir que a empresa continuasse crescendo e ganhando mercado. De certa forma é o que faz uma agência de rating, só que avaliam um país. A agência mantém analistas que acompanham as receitas e despesas, os projetos sociais, as fontes adequadas de receita para custeá-los e percebem quando há desvios de conduta, projetos errados, mal…

Atualizando ‘A Guerra do Petróleo’

Muitos têm me perguntado se é hora de comprar Petrobrás. Respondo que não.  Outros têm a curiosidade de saber porque o petróleo ficou tão barato? Respondo que é uma longa história. Hoje resolvi conta-la. Já mencionei sobre o perigo de default de trilhões de dólares no mercado de bonds, emitidos para financiar a exploração e desenvolvimento da energia extraída das rochas de xisto com a chamada tecnologia fracking.  Esses bonds foram emitidos na suposição de que o preço do petróleo permaneceria na faixa de $ 80 – $120, por barril. Com o óleo negociando atualmente na faixa de $40 – $60, 50% abaixo do preço estimado no projeto de exploração, é fácil de se prever que ao longo de 2016 muitos desses bonds deixarão de ser honrados.  A maioria das empresas de petróleo envolvidas nessa exploração nas rochas de xisto são muito endividadas e alavancadas. Como a produção foi mais exitosa do que se esperava, a extração de petróleo nos…

CHINA LUTA POR MAIS ESPAÇO

Na série de artigos da “A GUERRA DAS MOEDAS” tive a oportunidade de mencionar que a China pleiteia o ingresso na cesta de moedas do FMI, denominada SDR, e atualmente está preparada para atender a todas as exigências daquela instituição. Tal iniciativa não convém aos EUA que têm o voto de minerva e já o utilizaram há cinco anos atrás obstaculizando as pretensões da China. Em outubro próximo o FMI se reunirá em Lima, no Peru, para tomar essa decisão, mas os EUA já informaram que o seu voto será negativo.  O FMI, que não tem como negar objetivamente essa justa pretensão da China, optou por prorrogar a data da decisão para setembro de 2016. A notícia caiu como uma bomba na China e o Ministro das Finanças minimizou a questão afirmando que o país não precisa se preocupar com o não ingresso do Yuan na cesta de moedas. A seguir explicarei o que há por trás disso. A China…

G-7 ou G-2 ?

Consequências da globalização e digitalização O Grupo dos 7 é formado pelas economias mais avançadas do planeta. São elas: USA, Reino Unido, Alemanha, França, Canadá, Itália e Japão. Com a incorporação da Rússia virou o G-8 e, recentemente, após a invasão da Ucrânia, a Rússia foi objeto de sanções pelos EUA e aliados e o grupo voltou a ser G-7. Uma nova ordem mundial está prestes a emergir e será para logo. A forma como ela será percebida estará determinada por dois fenômenos: globalização e digitalização. A globalização está incorporando economias que não estão inteiramente industrializadas e que vão se integrando ao mercado global, uma tendência que tem redefinido a global divisão do trabalho e a hierarquia de valores, promovendo o deslocamento de industrias, serviços e especialmente de pessoas em busca de menores custos, salários e benefícios fiscais. A revolução na tecnologia da comunicação digital tem sido as fundações dessas mudanças em crescente desenvolvimento. Ela tem derrubado muitas barreiras culturais,…

Crash no Mercado de Ações da China

O que você precisa saber para compreender o que se passa nos mercados financeiros da China e que vão comprometer o nosso mercado e todo o mercado ocidental. Deng Xiaoping, o anterior líder chinês, arquivou o livrinho vermelho do atraso adotado pelo seu antecessor Mao Tsé-Tung em sua chamada Revolução Cultural, um desastre de triste memória.  Foi o gestor do milagre chinês do século XX assumindo o governo do país empobrecido, na época mais atrasado economicamente que o Brasil, de planejamento centralizado e economia basicamente rural e o transformou no país vibrante, orientado para exportações e produção com alto valor agregado que é hoje. No seu governo, a economia do país cresceu a taxas astronômicas em relação aos seus pares ocidentais e numa única geração a China se transformou na segunda maior economia do planeta e no detentor do maior comercio internacional, superando os EUA. Todo esse extraordinário progresso bem-sucedido e orientado pelo governo central é muito recente e as…

Dow Jones – Atualização em 19/08/2015

Dow Jones – Atualização em 19/08/2015 O índice Dow Jones da bolsa americana subiu 6 anos no maior impulso ‘Bull’ dos últimos tempos. Eu publiquei um ensaio no meu site (dagobertopacheco.com.br) sobre a “Golden Age” americana na atualização do Dow Jones de 19/11/2014. Aconselho-o a lê-lo, se ainda não o fez, para inteirar-se do significado real dessa expressão o que o ajudará na interpretação do fenômeno gráfico que estamos analisando neste momento.  O índice finalizou a onda intermediaria (3), uma onda de longo curso, na cota 18.351,36 em 19/03/2015, há exatos três meses. Nesses três meses vem apresentando uma nítida tendência de queda, embora moderada, pois desvalorizou até hoje 6,7%. Os três suportes técnicos que poderão, em tese, fazer reverter o índice estão indicados no gráfico, com as cotas: 16.289,01; 15.014,02; e 12.952,03. Temos de considerar um outro suporte muito forte que é o SX, na cota 15.341, que corresponde a finalização da onda w4. Como os dois suportes 15.341…